Ações

Órfãos do Sangueverde

Revisão de 14h26min de 27 de fevereiro de 2019 por LPrati (discussão | contribs)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Uma mercadora e Órfã do Sangueverde, por Drazenka Kimpel © FFG.

Órfãos do Sangueverde são os descendentes dos Roinares que fugiram com Nymeria nos dez mil navios para Dorne, mas se recusaram a se assimilar à cultura dornesa.

Órfãos de sua Pátria

Os órfãos ainda lamentam a perda de sua pátria distante em Essos, e continuam a praticar as tradições ribeirinhas de seus antepassados.

Eles se consideram “órfãos” por serem Roinares e foram feitos órfãos por sua “Mãe,” o rio Roine, que em sua fé também possui status divino. Portanto, eles também identificam o rio como "Mãe Roine."

Estilo de Vida

Os órfãos vivem em balsas ao longo do rio Sangueverde. Diz-se que quando eles vieram pela primeira vez à Dorne eles construíram seus pequenos barcos com as carcaças queimadas dos navios que eles usaram para atravessar o Mar Estreito.

Os órfãos do Sangueverde movem seus barcos para cima e para baixo no rio e seus afluentes, pescando, colhendo frutos e fazendo qualquer trabalho que seja necessário. Eles vão à Vila Tabueira para o comércio de carracas, cocas e galés do outro lado do Mar Estreito. Alguns são conhecidos por vender tecidos e especiarias acima e abaixo do Sangueverde.[1]

Eles dançam e cantam no rio, e também dizem ter grande conhecimento das artes da cura, capazes de curar verrugas e produzir as melhores parteiras.[2]

Alguns dos órfãos nascidos-do-sangueverde retornaram para o lar e vivem no Roine, como Yandry e Ysilla que trabalham no Donzela Tímida.[2]

Barcos dos Órfãos

Órfãos do Sangueverde em jangadas nas margens do rio, por Drew Whitmore © FFG.

Os barcos dos órfãos são chamados "barcos de varejo",[N 1] ou "veleiros".[N 2] Baixos e de través largo, os barcos quase não têm calado de que se possa falar, e são pintados e talhados. Daeron I Targaryen os depreciou como "cabanas construídas em jangadas", mas há pouca justiça nessa descrição. Todos os barcos dos órfãos, exceto os mais pobres, são maravilhosamente esculpidos e pintados.[1]

Eventos recentes

Info Aviso: Esta seção contém revelações sobre o enredo (spoilers).

O Festim dos Corvos

O barco que embosca a Princesa Arianne Martell e seus companheiros quando alcançam o Sangueverde está pintado em tons de verde, com um leme de madeira curvo em forma de sereia, e cabeças de peixe espreitam das amuradas. Varas, cordas e jarros de azeite atravancam seu convés, e lanternas de ferro balançavam à proa e à popa.

Citações

Tenho em mim o sangue de Nymeria, bem como o de Mors Martell, , o lorde dornês com quem ela casou. No dia do casamento, Nymeria pôs fogo nos seus navios, para que o seu povo compreendesse que não podia haver regresso. A maioria ficou feliz por ver aquelas chamas, pois as suas viagens tinham sido longas e terríveis até chegarem a Dorne, e muitos e mais ainda tinham sido perdidos para tempestades, doenças e escravatura. Houve uns poucos que choraram, porém. Não gostaram desta terra seca e vermelha nem do seu deus de sete deuses, e agarraram-se aos seus costumes antigos, construíram barcos com os cascos dos navios queimados, e transformaram-se nos órfãos do Sangueverde. A Mãe nas suas canções não é a nossa Mãe, mas sim a Mãe Roine, cujas águas os alimentaram desde a aurora dos tempos.[1]
Arianne Martell, para Myrcella Baratheon.

Veja também

Notas

  1. Na tradução de O Festim dos Corvos.
  2. Na tradução de O Mundo de Gelo e Fogo.

Sobre a página

Esta página utiliza conteúdo baseado em Orphans of the Greenblood, um artigo de A Wiki Of Ice And Fire.

Referências

  1. 1,0 1,1 1,2 O Festim dos Corvos, Capítulo 21, A Fazedora de Rainhas.
  2. 2,0 2,1 A Dança dos Dragões, Capítulo 14, Tyrion.