Ações

Alto Septão (Aenys I)

Revisão de 19h48min de 9 de março de 2019 por Coltsfan (discussão | contribs)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Estrela da Fé.png
Alto Septão
Estrela da Fé.png
Alto Septão Fé Militante.png
O Alto Septão da Fé Militante, extraído dos extras de blu-ray da HBO ©.
Título Alto Septão
Sua Altíssima Santidade
Pastor dos Fiéis
Lealdade Fé dos Sete
Nascimento Em 9 AC
Morte Em 43 d.C.[1], em Septo Estrelado, Vilavelha
Outros livros
Mencionado
Mencionado
Mencionado

Este Alto Septão foi o líder da Fé dos Sete durante o levante da Fé Militante que ocorreu durante os reinados de Aenys I Targaryen e Maegor I Targaryen.[2][1]

Aparência e personalidade

Veja também: Imagens de Alto Septão (Aenys I)

Na época de sua morte, aos cinquenta e três anos, o Alto Septão era robusto, incansável, destemido e reconhecido por sua força. Ele às vezes pregava dia e noite, sem dormir nem se alimentar.[1]

História

Os constantes, embora não intencionais, desrespeitos sofridos pela Fé dos Sete durante o reinado do Rei Aenys I Targaryen, levou a uma revolta da Fé contra o Trono de Ferro. O Alto Septão pregou contra o casamento polígamo do Príncipe Maegor e Alys Harroway. Para acalmá-lo, Aenys exilou Maegor e nomeou Septão Murmison como Mão do Rei.[1]

A gota d'água foi em 41 d.C., quando o rei Aenys fez sua filha, a Princesa Rhaena, casa-ser com seu filho e herdeiro, o Príncipe Aegon. O Alto Septão condenou o casamento como uma obscenidade, advertindo que os filhos nascidos da união seriam "abominações à vista de deuses e homens". Ele também expulsou o Septão Murmison da ordem, por realizar a cerimônia de casamento. Aenys respondeu enviando uma carta ao Alto Septão, explicando a história das uniões incestuosas entre valirianos, pedindo que o "bom Murmison" fosse reintegrado à Fé. A resposta do Alto Septão foi tão brutal que Sua Graça empalideceu ao lê-la. Longe de conceder o que lhe era solicitado, o Alto Septão dirigiu-se a Aenys como “Rei Abominável”, declarando que ele era um impostor e um tirano que não tinha o direito de governar os Sete Reinos.[1] Lordes devotos, e tá mesmo plebeus que amavam Aenys, viraram-se contra ele, começando o levante da Fé Militante.[3] Um enviado do Banco de Ferro de Braavos, responsável por tratar com Lorde Hightower, escreveu ao banco que o Alto Septão era "o verdadeiro rei de Westeros, em tudo, menos no nome".[1]

O conflito continuou durante o reinado do Rei Maegor I Targaryen, que em 42 d.C. queimou o Septo da Memória em Porto Real ao pó, matando setecentos membros dos Filhos do Guerreiro. Maegor então ordenou que os Pobres Companheiros se desarmassem. Quando este decreto não teve efeito, ordenou a seus lordes leais que os dispersassem à força. Em resposta, o Alto Septão convocou "verdadeiros e piedosos filhos dos deuses" a pegar em armas em defesa da Fé e pôr fim ao reinado de "dragões e monstros e abominações".[1]

Mais tarde em 42 d.C., depois do casamento de Maegor com sua terceira esposa, Tyanna da Torre, o Alto Septão condenava de Vilavelha o que ele chamava de "a abominação e suas prostitutas", pregando, esbravejando e denunciando.[1] Quando a Princesa Rhaena deu à luz duas filhas a seu irmão Aegon, Aerea e Rhaella, o Alto Septão proclamou que elas também eram abominações, frutos da luxúria e incesto, e amaldiçoados pelos deuses.[1]

Em 43 d.C., Maegor proibiu e passou a tratar a Fé Militante como foras de lei, ordenando ao Alto Septão que se entregasse à Fortaleza de Maegor, para ser julgado por alta traição. Em resposta, Sua Alta Santidade ordenou ao rei que se apresentasse ao Septo Estrelado em Vilavelha, e implorasse o perdão dos deuses por seus pecados e crueldades.[1] Mais tarde naquele ano,[N 1] Maegor e sua mãe, Visenya, montados em Balerion e Vhagar, queimou as sedes dos senhores seguidores da Fé nas Terras Ocidentais e nas Terras Fluviais, virando-se depois para Vilavelha. O Alto Septão convocou a ira dos deuses sobre os Targaryens, com os Filhos do Guerreiro de Vilavelha, liderados por Sor Morgan Hightower, cercaram o Septo Estrelado. No entanto, os Targaryens e seus dragões chegaram no dia seguinte, encontrar o Alto Septão morto (desde a noite anterior), e sendo bem recebidos na cidade.[1]

A causa da morte do Alto Septão continua sendo debatida, especialmente porque ele era um homem saudável. Alguns acreditam que ele tirou a própria vida, seja o ato de um medo covarde em enfrentar a ira de Maegor, seja um nobre sacrifício para poupar o povo de Vilavelha de fogo de dragão. Outros defendem que os Sete o golpearam pelo pecado do orgulho, por heresia, traição ou arrogância. Muitos no entanto entendem que ele foi assassinado. Um dos suspeitos é Sor Morgan Hightower, quem foi visto entrando e saindo das acomodações do Alto Septão na noite de sua morte, e foi o único membro dos Filhos do Guerreiro perdoado por Maegor. Morgan teria feito tudo a mando de Lorde Martyn Hightower. Outros apontam que Patrice Hightower, tia solteira de Lorde Martyn e uma bruxa de renome. Ela havia participado de uma audiência com Sua Alta Santidade ao entardecer, embora ele estivesse vivo quando ela partiu. Outros suspeitos são os arquimeistres da Cidadela, através do uso do artes das trevas, um assassino, ou uma pergaminho envenenado, já que mensagens foram enviadas entre a Cidadela e o Septo Estrelado durante a noite do falecimento do Alto Septão. A última suspeita recai sobre a Rainha Visenya Targaryen, a quem se suspeitava estar envolvida com feitiçaria.[1]

No entanto, a morte do Alto Septão e a eleição de um novo, muito mais afável e submisso homem ao cargo, não parou a revolta.[2][1]

Errata

Em O Mundo de Gelo e Fogo, é dito que a natureza inesperada da morte do Alto Septão em 44 d.C. levantou muita suspeita, e sussurros de assassinato persistem até os dias de hoje. Alguns acreditam que Sua Alta Santidade foi tirado do caminho por seu próprio irmão, Sor Morgan Hightower, comandante dos Filhos do Guerreiro em Vilavelha (e é verdade inegável que Sor Morgan foi o único Filho do Guerreiro perdoado pelo rei Maegor).[2] No entanto, foi confirmado que Morgan Hightower não era irmão do Alto Septão, e que a afirmação estava errada.[N 2]

Além disso, Os Filhos do Dragão dá a data correta de 43 d.C. para a morte do Alto Septão, e relata que foi o substituto do Alto Septão quem morreu em 44 d.C..[1]

Notas

  1. As primeiras edições de O Mundo de Gelo e Fogo afirmam erroneamente que este evento e a morte do Alto Septão ocorreram em 44 d.C..
    O conto Os Filhos do Dragão oferece a data correta, 43 d.C..
  2. Em "Westeros.org: (TWOIAF Spoilers) Inconsistency or Intentional?
    Elio Garcia afirma: Morgan is Martyn's younger brother, not the High Septon. Small error.

Sobre a página

Esta página utiliza conteúdo baseado em High Septon (Aenys I), um artigo de A Wiki Of Ice And Fire.

Referências

  1. 1,00 1,01 1,02 1,03 1,04 1,05 1,06 1,07 1,08 1,09 1,10 1,11 1,12 1,13 Os Filhos do Dragão.
  2. 2,0 2,1 2,2 O Mundo de Gelo e Fogo, Os Sete Reinos: A Campina, Vilavelha.
  3. O Mundo de Gelo e Fogo, Os Reis Targaryen: Aenys I.