Ações

Ghiscari

Elite Ghiscari. © FFG

Os Ghiscari são o povo nativo de região de Ghiscar no continente de Essos.

História

Os Ghiscari costumavam governar o Velho Império da capital da cidade de Ghis, estabelecendo uma civilização que se desenvolveu em um dos poderes dominantes do Mundo Conhecido, até que eles entraram em conflito com o Império Valiriano. As duas nações lutaram cinco Guerras Ghiscari, até que os valirianos destruíram Ghis com seus dragões. Com o império entrando em colapso, a linhagem original dos Ghiscari foi quase exterminada, junto com sua religião, cultura e idioma.

Alguns costumes originais de Ghiscari permanecem, já que as colônias de Astapor, Yunkai, e Meereen ganharam destaque após a destruição da Antiga Ghis, com suas elites se intitulando "Mestres" e se tornando ricos e poderosos comprando, criando, treinando e trocando escravos. Após a Perdição de Valíria os Ghiscari se espalharam pela Baía dos Escravos, fundando a cidade de Nova Ghis, que procura reconstruir o Antigo Império sob sua liderança.

Ghiscari "Moderno"

Os Ghiscari "modernos" são um povo mestiço, descendente das raças escravizadas pelo Império e, mais tarde, pela Cidade Franca, com uma pele âmbar escura e densa e cabelos crespos com reflexos vermelhos.[1]

Embora pouco da cultura Ghiscari tenha sobrevivido o colapso do Velho Império, o povo moderno da Baía dos Escravos orgulhar-se da sua herança Ghiscari. Cada cidade tem uma variação da harpia de Velha Ghis como símbolo.[1][2] Os cidadãos de alto nascimento chamam-se filhos da harpia,[1][3][4].[1] A língua do Ghiscari Antigo foi largamente esquecida.

Língua

Os Ghiscari mais modernos falam na língua de seus conquistadores, Alto Valiriano, tortuoso e carregado com o rosnado característico de Ghis, temperado aqui e ali com gírias de escravagistas. No entanto, os Ghiscari modernos continuam a escrever com seus glifos.[1][2] Além dos dialetos bastardos valirianos, uma língua mestiça combinando o ghiscari antigo e o alto valiriano também é falada por alguns ao longo da baía.[5] No entanto, algumas palavras da antiga língua ainda estão em uso e fazem parte do dialeto, como Mhysa, que significa "mãe".[2]

Costume

A rica elite traficante de escravos, com seus nomes antigos com bolsas gordas, fazem guerras de mentira em suas arenas de luta com seus escravos, usando açoites ghiscari para fingir que ainda dominam um vasto império, sentados em cima de suas pirâmides bebendo vinho de damasco,[4]. Eles se consideram o sangue da Velha Ghis.[2]

Como um sinal de status eles usam o tokar, uma roupa impraticável que exige que o usuário segure-a no lugar com uma mão e ande em pequenos passos.[6] Homens de alto nascimento ou boa renda também usam cabelo oleados e torcidos em formas fantásticas, como chifres ou asas.

Os Ghiscari também gostam de comida farta, incluindo ovos de pato, ensopado de polvo e até cachorro. Diz-se que os Ghiscari comem carne de qualquer criatura, exceto homem ou dragão.[7]

Religião

Os Ghiscari ainda cultuam os deuses de Ghis, com as Graças como suas sacerdotisas. A Graça Verde é a figura religiosa mais importante de uma cidade Ghiscari. Os Ghiscari consideram o sangue derramado nas arenas de luta um sacrifício mais aos seus deuses.

Ghiscari enterram seus mortos em criptas abaixo de seus próprias mansões.[8]

Referências