Primeira Guerra Dornesa

De Gelo e Fogo wiki
Ir para: navegação, pesquisa
Primeira Guerra Dornesa
Death of Meraxes.jpg
A morte do dragão Meraxes e da rainha Rhaenys Targaryen, durante a invasão de Dorne.

Data 4 d.C. a 13 d.C.
Local Westeros
Resultado A Casa Targaryen se retira de Dorne
Beligerantes
Casa TargaryenCasa Martell
Comandantes notáveis
Aegon I Targaryen
Visenya Targaryen
Rhaenys Targaryen
Rhaena Targaryen
Orys Baratheon
Harlen Tyrell
Princesa Meria Martell
Príncipe Nymor Martell
Princesa Deria Martell
Forças
Forças do Trono de FerroCasas de Dorne
Perdas
Rhaenys Targaryen
Meraxes
Harlen Tyrell
Lorde Rosby

A Primeira Guerra Dornesa é o nome da tentativa de Aegon, o Conquistador de conquistar Dorne, o único dos Sete Reinos a resistir aos dragões na Guerra da Conquista.

História

Invasão inicial

Rhaenys Targaryen voou em Meraxes para Dorne durante a Guerra da Conquista, mas os dorneses evacuaram seus castelos e a Princesa Meria Martell alertou Rhaenys que Dorne não se submeteria ao Conquistador. Aegon fora coroado em Vilavelha e governava do Trono de Ferro em sua capital em construção.

Como Dorne era o único dos Sete Reinos que não caíra perante os Targaryen, Aegon lançou uma invasão na esperança de completar a conquista de Westeros em 4 d.C.. De acordo com os escritos dos meistres, grande foi o valor dornês contra as forças do Trono de Ferro e grande foram suas perdas e seu sofrimento, pois o preço da liberdade foi exorbitante.

Os dorneses não lutaram contra os Targaryen em grandes batalhas e nem se abrigaram em seus castelos, já que haviam aprendido a lição com o Campo de Fogo e Harrenhal. Eles simplesmente sumiam diante dos dragões ao invés de dar batalha.

A Rainha Rhaenys liderou o ataque, queimando Vila Tabueira com Meraxes em seu caminho para Lançassolar enquanto o Rei Aegon e Lorde Harlen Tyrell conduziam um exército pelo Passo do Príncipe contra os senhores das Montanhas Vermelhas. Os defensores dorneses atormentaram as forças Targaryen, realizando incursões de ataque e depois sumindo da visão dos dragões. Muitos dos invasores morreram por conta do sol e da sede e então marcharam sobre Toca do Inferno. Os sobreviventes encontraram o castelo abandonado, todos os Uller haviam fugido.

Aegon obteve mais sucesso, vencendo o castelo dos Yronwood após um breve cerco, mas o castelo estava defendido apenas por velhos, garotos e mulheres, então houve pouca glória nesse cerco. Graçadivina, a sede da Casa Fowler, estava abandonada. Em Monte Espírito, a Casa Toland enviou um campeão para lutar contra Aegon em combate singular. O Conquistador facilmente matou o cavaleiro com a Blackfyre, mas quando retirou o elmo do cadáver descobriu que se tratava do bobo louco de Lorde Toland, que havia evacuado o castelo com seus parentes. Posteriormente, a Casa Toland mudou seu emblema para um dragão mordendo sua própria cauda e também as cores da casa para dourado e verde, as cores dos retalhos de seu bravo bobo.

O assalto de Lorde Orys Baratheon no Espinhaço se mostrou um desastre. Os astuciosos dorneses fizeram um ataque noturno, lançando pedras, flechas e lanças de cima. Os corpos dos soldados do exército invasor bloquearam o Espinhaço em ambas as saídas e Orys, junto com muitos de seus vassalos e cavaleiros, foi capturado pelos Wyl, sendo Lorde Wyl conhecido como Amante de Viúvas.

Rebelião

Fora o ataque no Espinhaço, os Targaryen sobretudo encontraram castelos abandonados, e os que eram fracamente guarnecidos puderam ser rendidos facilmente diante da ameaça de queimá-los com fogo de dragão. Lançasolar estava parcialmente abandonada, tendo todos os Martell partido. Aegon e suas irmãs reuniram os cortesões remanescentes e se declararam vencedores, deixando Lorde Rosby governando Lançasolar e um exército sob Lorde Tyrell para conter revoltas.

Mal os Targaryen e seus dragões haviam pousado em Porto Real e a revolta estourou por toda Dorne com rapidez assustadora, pois esse havia sido o plano dos dorneses o tempo todo. Guarnições de cavaleiros e soldados foram passadas na espada. Lorde Tyrell e seu exército inteiro sumiram nas areias entre Toca do Inferno e Vaith, enquanto Lorde Rosby foi morto por Meria Martell na Defenestração de Lançasolar.

Os Targaryen tiveram de pagar um resgate para que Orys e seus lordes e cavaleiros fossem libertados em 7 d.C.. Cada um deles teve a mão da espada cortada para que nunca mais pegasse numa arma contra Dorne. Esse ato enfureceu Aegon, pois não contava nos termos que negociara.

Os dragões Targaryen queimaram muitos castelos, e os dorneses retaliaram atacando Mata de Chuva no Cabo da Fúria. Os dragões atacaram novamente, e Lorde Fowler atacou Nocticantiga enquanto Sor Joffrey Dayne arrasava os arredores de Vilavelha. Os castelos de Tombastela, Graçadivina e Toca do Inferno foram consumidos por fogo de dragão. Isso tudo mudou quando um sortudo disparo em Toca do Inferno acertou no olho de Meraxes em 10 d.C., matando o dragão que caiu dos céus com sua domadora, Rhaenys Targaryen.

A Ira do Dragão, por Michael Komarck ©.

A Ira do Dragão

O sofrimento de Aegon pela perda de Rhaenys foi enorme; e os dois anos seguintes se tornaram conhecidos como Ira do Dragão. Os Targaryen queimaram cada fortaleza dornesa pelo menos uma vez, com exceção de Lançasolar, possivelmente na esperança de que os dorneses se voltassem contra os Martell. Os lordes dorneses e os plebeus permaneceram leais, contudo.

Aegon e sua esposa-irmã sobrevivente, Visenya, colocaram a cabeça dos lordes dorneses a prêmio, e os dorneses fizeram o mesmo com os Targaryen e seus aliados. Aegon e Visenya foram atacados nas ruas de Porto Real e, se não fosse por Visenya e a Irmã Negra, poderiam ter sido mortos. Os ataques levaram Visenya a formar a guarda pessoal de Aegon, posteriormente conhecida como Guarda Real.

Paz

Quando a Princesa Meria Martell morreu em 13 d.C., seu filho mais velho, Nymor, se tornou Príncipe de Lançasolar. Farto da guerra, ele enviou sua filha, Princesa Deria Martell, a Porto Real com uma escolta, como uma emissária de paz. Ela carregava o crânio de Meraxes e uma carta. A visão do crânio enfureceu muitos na corte, principalmente Orys e Visenya. Deria disse os termos de seu pai, o desejo de Dorne pela paz como dois reinos separados, e não com submissão. Aegon recusaria esses termos até que ela entregou-lhe a carta de Nymor.

Sentado no Trono de Ferro, Aegon leu a carta do Príncipe de Dorne. Ninguém soube o que ela dizia, e Aegon nunca falou sobre ela depois daquilo. Alguns dizem que ele apertou os braços do Trono enquanto lia a carta tão fortemente que o sangue jorrou de sua mão. Alguns meistres e historiadores especulam que os dorneses mantinham Rhaenys como uma refém torturada e mutilada, e que concordaram em pôr um fim em seu sofrimento se Aegon terminasse a guerra. O que quer que seja que que a carta continha, o resultado foi claro. Aegon queimou a carta, concordou com a paz e retirou suas forças de Dorne.

Desfecho

A muito custo os dorneses se mantiveram independentes dos Targaryen. Posteriormente, Aegon manteve relações cordiais com a Princesa Deria Martell.

Outras Guerras Dornesas seguiram a essa, como a Conquista de Dorne de Daeron Targaryen.


Nota: Esta página utiliza conteúdo da A Wiki Of Ice And Fire. O conteúdo original está aqui em First Dornish War. A lista de autores pode ser vista no histórico da página.