A Fúria dos Reis - Capítulo 53

De Gelo e Fogo wiki
Ir para navegação Ir para pesquisar

 

Jon VII
Capítulo de A Fúria dos Reis
A Fúria dos Reis.jpg
PDVJon Snow
LocalPasso dos Guinchos, Para Lá da Muralha, Westeros
Página492-497 PT-BR Leya (Outras versões)
Cena. (Série HBO)
Cronologia dos capítulos (Todos)
Jon VI
Sansa IV ← Jon VII → Tyrion XII

Jon VIII

Qhorin e Jon discutem a história de vida de Mance, a fuga de Ygritte, e a habilidade de Jon em sonhar como um lobo.

Resumo

Jon Snow, e seu Fantasma. Arte extraída de 'A Fúria dos Reis - Edição Ilustrada', por Lauren Cannon ©.

Jon conta para Qhorin Meia-Mão que Ygritte lhe revelou sobre Mance Rayder aceitá-lo se ele fugisse. Qhorin confirma. Ele conheceu Mance quando ele era irmão da Patrulha, e diz a Jon que Mance amava canções e mulheres selvagens, e que ele mesmo era um selvagem capturado quando criança pela Patrulha. Mance era o melhor guarda florestal que eles tinham, mas voltou às suas raízes, alguns dizem que pelo amor de uma mulher, outros dizem que apenas para ganhar uma coroa. Qhorin suspeita que Jon tenha deixado Ygritte fugir, e Jon confirma que sim, no entanto, Qhorin entende que a garota não era uma ameaça e, se ele a quisesse morta, teria feito Ebben matá-la, ou já teria a matado sozinho. Qhorin diz a Jon que agora o conhece melhor do que antes, e que é importante que um comandante conheça seus homens.

Eles viajam à noite e descansam durante o dia. Naquela manhã, Jon sonha com cinco lobos gigantes, quando deveriam ser seis.[1] Vendo através dos olhos de Fantasma, ele se encontra em uma floresta e sente uma voz chamando seu nome de um represeiro nas proximidades, com um rosto parecido com o de seu irmão, exceto que agora ele tem três olhos.[2] Seu irmão explica como abrir os olhos, e a árvore se abaixa e o toca, e ele se vê de volta às montanhas. Ele está no topo de um penhasco e supervisiona milhares de homens treinando para o combate. Ele também vê mamutes com gigantes montando neles. De repente, uma águia voa do céu vindo em direção a ele. Jon acorda gritando o nome de Fantasma. Os outros ouvem seu grito, e ele conta o que viu. Qhorin chama isso de sonho de lobo, e Ebben chama Jon de troca peles. Qhorin, no entanto, não vê problemas em pensar em wargs e gigantes já que atualmente os mortos andam e as árvores têm olhos novamente. Eles partem pouco antes do anoitecer, e avistam uma águia observando-os, bem fora do alcance de seus arcos.

Logo depois, eles encontram Fantasma ferido e tratam as feridas do lobo gigante. Qhorin diz a eles que devem voltar ao Punho, pois foram vistos pela águia, que pode ser uma troca peles também. Eles começam a jornada de volta através do Passo dos Guinchos sem acender nenhum fogo, apesar do frio. Mas a distância deles em relação ao inimigo está diminuindo, e quando eles chegam ao local onde os selvagens foram mortos, o escudeiro Dalbridge fica para trás com todas as flechas, sacrificando-se para dar vantagem aos outros.

Citações


Fantasma - ele chamou. - Aqui, Junto - dormia sempre melhor com o grande lobo branco ao seu lado; havia conforto em seu cheiro, e um calor bem-vindo naquele hirsuto pelo claro.
—— Pensamentos de Jon Snow[3]





Quando fechou os olhos, sonhou com lobos gigantes. Havia cinco onde devia haver seis[1], e estavam espalhados, todos separados uns dos outros. Sentiu uma profunda sensação de vazio, de incompletude. A floresta era vasta e fria, e eles eram tão pequenos, tão perdidos. Os irmãos estavam longe, em algum lugar, e a irmã também[4], mas tinha perdido seus rastros. Sentou-se nos quartos traseiros e levantou a cabeça para o céu que escurecia, e seu choro ecoou pela floresta, um som longo, solitário e lamentoso. Enquanto o som morria, aguçou as orelhas, à escuta de uma resposta, mas o único ruído foi o suspiro da neve soprada pelo vento. Jon? O chamado veio de suas costas, mais baixo do que um sussurro, mas forte. Pode um grito ser silencioso? Virou a cabeça, em busca do irmão, de um vislumbre de uma silhueta esguia e cinzenta em movimento sob as árvores, mas nada havia, só... Um represeiro. Parecia ter brotado da rocha sólida, com as raízes brancas contorcendo-se de uma miríade de fissuras e rachaduras finas como fios de cabelo. A árvore era fina comparada com outros represeiros que tinha visto antes, pouco mais do que um broto, mas crescia diante de seus olhos, com os galhos engrossando à medida que se estendiam para o céu. Com prudência, deu a volta no tronco branco e liso até encontrar o rosto. Olhos vermelhos olhavam-no. Eram olhos ferozes, mas satisfeitos por vê-lo. O represeiro tinha o semblante do irmão. Teria o irmão sempre tido três olhos?[2]. Nem sempre, disse o grito silencioso. Antes do corvo não tinha. Farejou a casca da árvore, tinha cheiro de lobo, árvore e garoto, mas por trás desses odores havia outros, o cheiro rico e marrom da terra tépida, e o duro e cinza da pedra, e algo mais, algo terrível. Morte, compreendeu. Estava cheirando a morte. Retraiu-se, com o pelo eriçado, e mostrou os dentes. Não tenha medo, eu gosto do escuro. Ninguém o vê, mas você vê todo mundo. Mas primeiro tem de abrir os olhos. Vê? Assim. E a árvore estendeu um galho e tocou nele. E de repente estava de volta nas montanhas, com as patas profundamente enterradas em neve soprada pelo vento, à beira de um grande precipício. A sua frente, o Passo dos Guinchos abria-se numa amplidão arejada, e um longo vale em forma de V espalhava-se abaixo como uma colcha, inundado por todas as cores de uma tarde de Outono. Uma vasta muralha azul esbranquiçada encobria uma das extremidades do vale, espremida entre as montanhas como se as tivesse afastado com os ombros, e por um momento pensou que estava de volta a Castelo Negro. Então compreendeu que estava olhando para um rio de gelo com mais de mil metros de altura. Na base desse resplandecente penhasco de gelo havia um grande lago, cujas profundas águas cor de cobalto refletiam os picos cobertos de neve que o rodeavam. Via agora que havia homens no vale; muitos, milhares deles, uma tropa enorme. Alguns faziam grandes buracos no terreno meio gelado, enquanto outros treinavam para a guerra. Observou uma multidão de cavaleiros investindo contra uma muralha de escudos, montados em cavalos que não eram maiores do que formigas. O som daquela batalha de mentira era um restolhar de folhas de aço, que flutuava, tênue, soprado pelo vento. O acampamento não tinha um plano; não viu valas, nem estacas afiadas, nem fileiras ordenadas de cavalos. Abrigos de terra improvisados e tendas de pele brotavam ao acaso por toda parte, como feridas de varíola na face na terra. Observou montes desordenados de feno, sentiu o cheiro de cabras e ovelhas, cavalos e porcos, cães em grande profusão. Fiapos de fumaça escura erguiam-se de um milhar de fogueiras de cozinha. Isso não é mais um exército do que é uma vila. E um monte de gente que se juntou. Do outro lado do grande lago, um dos montes se mexeu. Observou-o com mais atenção e viu que não era terra, mas uma coisa viva, um animal hirsuto e pesado, com uma serpente no lugar do nariz e presas maiores do que as do maior javali que alguma vez já viveu. E a coisa que o montava era também enorme, com uma silhueta errada, larga demais nas pernas e ancas para ser um homem. Então, uma súbita rajada de vento frio fez com que seu pelo se eriçasse, e o ar vibrou com o som de asas. Ao levantar os olhos para a montanha branca como gelo, uma sombra precipitou-se do céu. Um grito estridente cortou o ar. Vislumbrou pontas de asas azul-acinzentadas muito abertas, escondendo o sol...
—— Sonhos de lobo de Jon Snow[3]

Links externos

Sobre a página

Esta página utiliza conteúdo baseado em A Clash of Kings Chapter 53, um artigo de A Wiki Of Ice And Fire.

Referências

  1. 1,0 1,1 A loba de Sansa, Lady foi executada no Tridente após os conflitos entre Sansa, Arya e Joffrey, veja: Eddard III de A Guerra dos Tronos.
  2. 2,0 2,1 É Bran quem está atualmente escondido nas criptas de Winterfell, veja: Bran VII de A Fúria dos Reis.
  3. 3,0 3,1 A Fúria dos Reis, Capítulo 53, Jon.
  4. Nymeria fugiu para a natureza após o incidente no Tridente com Joffrey.