Rebelião Greyjoy

De Gelo e Fogo wiki
Ir para navegação Ir para pesquisar

 

Rebelião Greyjoy
Rebelião Greyjoy.jpeg
O Rei Balon reúne seus dracares.

Data 289 d.C.
Local Westeros
Batalhas Queima da Frota Lannister
Batalha de Guardamar
Batalha da Ilha Bela
Cerco de Grande Wyk
Cerco de Velha Wyk
Cerco de Pyke
Resultado Derrota da Casa Greyjoy e consolidação do reino de Robert Baratheon
Morte de Rodrik e Maron Greyjoy
Theon Greyjoy se torna refém da Casa Stark
Beligerantes
Casa GreyjoyTrono de Ferro Baratheon
Comandantes notáveis
Balon Greyjoy, Rei das Ilhas de Ferro e Senhor Ceifeiro de Pyke
Victarion Greyjoy
Euron Greyjoy
Maron Greyjoy
Rodrik Greyjoy
Rei Robert Baratheon, Senhor dos Sete Reinos
Lorde Stannis Baratheon
Lorde Paxter Redwyne
Lorde Eddard Stark
Forças
Frota de FerroNorte
Terras Ocidentais
Frota Real
Frota Redwyne
Frota de Vilavelha
Casa Mallister

A Rebelião Greyjoy[1][2][3] é o nome dado ao levante liderado por Balon Greyjoy contra o Trono de Ferro. Aconteceu em 289 d.C., nove anos antes do início de A Guerra dos Tronos. Balon Greyjoy tentou se separar dos Sete Reinos e assegurar a independência das Ilhas de Ferro, para restaurar as antigas tradições perdidas há quase trezentos anos após a Guerra da Conquista. A rebelião foi esmagada e Lorde Balon foi forçado a se render, consolidando o reinado de Robert Baratheon no Trono de Ferro.[4]

Antecedentes

Quellon Greyjoy, o Lorde Ceifeiro de Pyke, queria fortalecer os laços das Ilhas de Ferro com o restante de Westeros, contudo ele morreu na Batalha do Vago. Seu filho e sucessor, Balon Greyjoy, não tinha intenção de prosseguir com as reformas do pai e desejava retornar aos costumes antigos. Ele imediatamente ordenou a construção de uma nova armada, a Frota de Ferro, expandindo o poderio naval das Ilhas de Ferro.

Em 289 d.C., seis anos após Robert Baratheon ter deposto os Targaryen, Balon Greyjoy de Pyke se proclamou Rei das Ilhas de Ferro e iniciou sua rebelião contra o Trono de Ferro. Ele foi coroado sob as Costelas de Nagga por Tarle, o Três Vezes Afogado, sacerdote do Deus Afogado, que lhe pôs uma coroa de madeira a cabeça. O Greyjoy acreditava que o reinado do Rei Robert I ainda não estava seguro, que ainda não tinha apoio suficiente entre os nobres para mover um contra-ataque. De qualquer forma, se preparou para guerra, mobilizando a Frota de Ferro, caso Robert reagisse - o que de fato ele o fez.

O conflito

O Ataque dos Homens de Ferro

Os Greyjoy incendeiam a frota Lannister em Lannisporto.

Esperando controlar o Mar do Poente, Balon começou sua rebelião queimando a frota Lannister ancorada em Lannisporto, na costa das Terras Ocidentais. O ataque foi planejado por Euron, irmão de Balon, e foi liderado por outro irmão dele, Victarion, Senhor Capitão da Frota de Ferro.[5] Victarion jogou a tocha que começou o incêndio no navio de lorde Tywin Lannister.[6]

A vitória em Lannisporto deu ao rei Balon a liberdade para atacar as Terras Fluviais, mas para isso precisava tomar Guardamar. O ataque ao castelo da Casa Mallister foi liderado por Rodrik Greyjoy, filho mais velho de Balon. A investida, contudo, fracassou, com Rodrik sendo morto pelo lorde Jason Mallister durante a Batalha de Guardamar, forçando os salteadores nascidos do ferro a recuar de volta para o mar em derrota.[7]

Germund Botley tomou um peitoral dourado de um capitão Lannister[6] e o pai de Podrick Payne foi morto durante a guerra.[8]

O Contra-Ataque do Trono de Ferro

O Trono de Ferro possuía superioridade numérica e de recursos, o que lhes permitiu esmagar a rebelião. Stannis Baratheon e Paxter Redwyne lideraram suas frotas para combater os homens de ferro no mar, conseguindo derrotá-los na batalha de Ilha Bela.[9] Com a passagem por mar segura, o exército de Robert pôde atacar as Ilhas de Ferro, o que resultou na primeira derrota de Victarion. Aeron Greyjoy se perdeu durante a batalha e se tornou prisioneiro em Rochedo Casterly, onde permaneceu durante o restante da guerra.[10]

Stannis também subjugou Grande Wyk, tomando-a em nome de seu irmão. Sor Barristan Selmy liderou o ataque à Velha Wyk.[4]

O Ataque Final

A batalha decisiva se deu em Pyke. Tudo ao redor do castelo foi destruído antes de se lançar o ataque principal a fortaleza dos Greyjoys. As forças de Robert assaltaram a muralha sul com máquinas de cerco, quebrando a principal torre de vigia e abrindo uma fissura. Maron Greyjoy, o segundo filho de Balon, foi morto na brecha. Thoros de Myr foi o primeiro a atravessar a brecha, empunhando sua espada flamejante. Jorah Mormont não ficou muito atrás, e ganhou seu título de cavaleiro por causa de sua bravura naquele dia. Após um combate feroz, o castelo foi tomado. Balon Greyjoy foi forçado a se ajoelhar e jurar novamente fidelidade ao Trono de Ferro, enquanto que seu filho, Theon Greyjoy foi entregue aos cuidados de Eddard Stark, para garantir o bom comportamento de Balon.[7][11][12][13]

Conclusão

Lorde Balon Greyjoy foi forçado a se render e ainda perdeu seus dois filhos mais velhos e o caçula, Theon, foi levado como refém pela Casa Stark. A vitória finalmente consolidou o governo de Robert, que promoveu um grande torneio em Lannisporto a fim de comemorar.[7]

Além disso, Pyke foi parcialmente destruída. A rebelião fez com que os homens de ferro rejeitassem ainda mais a Fé dos Sete, predominando novamente o culto do Deus Afogado. Os Greyjoy também adotaram políticas cada vez mais isolacionistas, não interferindo nas questões do continente.[6]

Referências