A Tormenta de Espadas - Capítulo 56

De Gelo e Fogo wiki
Ir para navegação Ir para pesquisar

 

Bran IV
Capítulo de A Tormenta de Espadas
A Tormenta de Espadas.jpg
PDVBran
LocalFortenoite, Norte, Westeros
Página569-582 PT-BR Leya (Outras versões)
Cena. (Série HBO)
Cronologia dos capítulos (Todos)
Bran III
Jon VII ← Bran IV → Daenerys V

A Dança dos Dragões
Bran I

Bran, Hodor, Meera e Jojen chegam a Fortenoite. Durante a breve estadia, Bran se lembra de diversas lendas intrigantes contadas pela Velha Ama. Durante a noite, Sam os encontra e os leva através da Muralha para encontrar Mãos-Frias. Na passagem pelo Portão Negro, eles encontram uma árvore que fala.

Sinopse

O grupo de Bran chega em Fortenoite

Bran Stark, Hodor e Verão enfrentando a neve. Arte extraída de 'A Tormenta de Espadas - Edição Ilustrada', por Gary Gianni ©.

Bran, Hodor, Meera e Jojen Reed alcançam Fortenoite. Bran está assustado não apenas porque eles alcançaram o fim do mundo, mas também porque ele teve um sonho no corpo de Verão no qual Robb Stark e Vento Cinzento estavam mortos. Ele se encoraja lembrando a si mesmo que ele é um Príncipe do Norte e um Stark de Winterfell. Jojen diz a ele que não há nada de perigoso no lugar, mas Bran não tem tanta certeza, porque Fortenoite tinha sido o local de várias histórias terríveis da Velha Ama: foi lá que o Rei da Noite governou antes que os humanos o esquecessem; o Cozinheiro Ratazana também servira a um rei Ândalo uma torta feita de carne de príncipe e bacon; foi ali a morada dos setenta e nove sentinelas; foi ali que o bravo Danny Flint encontrou a morte dela depois de ser estuprado; foi ali que o eei Sherrit amaldiçoou os Ândalos; onde os jovens aprendizes enfrentaram a coisa saída da noite, foi ali onde o cego Symeon Olhos-de-Estrela viu os cães do inferno lutarem; e onde o Machado Louco se arrastou pelos pátios, escalou as torres e matou seus irmãos. No entanto, algumas das histórias passaram por milhares de anos, e meistre Luwin sempre alertou Bran para não levar as histórias da Velha Ama ao pé da letra. O tio de Bran Benjen Stark disse uma vez durante uma visita a Winterfell que a Patrulha da Noite abandonou Fortenoite cerca de 200 anos atrás, e ele não quis comentar sobre as histórias.

Fortenoite está completamente dilapidado: as torres desabaram, ratos correm pelo antigo Grande Salão, pequenas florestas de árvores finas crescem nos pátios, agora há árvores no lugar dos antigos estábulos e um represeiro branco se empurra pelo telhado da cozinha. Tem um cheiro estranho e o vento faz um som estranho. Bran se pergunta mais uma vez como eles conseguirão chegar ao outro lado da Muralha a partir dali, mas toda vez que ele toca no assunto, Jojen dizia que teve um sonho verde mostrando que eles deverão permanecer ali. Até o portão do Fortenoite está trancado: quando a Patrulha da Noite deixou o castelo, eles baixaram a ponte levadiça e levaram as correntes; além disso, os irmãos negros encheram o túnel sob a parede com pedras e entulho, tornando o túnel uma parte da Muralha.

Bran pensa no incidente em Coroadarrainha

Agora Bran pensa novamente que eles deveriam ter seguido Jon Snow, a quem ele e Verão viram cavalgando na tempestade em Coroadarrainha. Jojen insiste que teria sido muito perigoso, afinal, Bran quase perdeu Verão na operação de resgate, quando selvagens os apareceram. O lobo gigante matou três dos homens e fugiu, mas uma flecha o atingiu e Bran foi expulso do corpo de Verão. Então, eles se agacharam na torre do lago a noite toda, esperando que os selvagens seguissem em frente. Bran tentou retornar ao corpo de Verão, mas a dor que ele encontrou lá o parou. Bran teve medo de que o Verão morresse sozinho em algum lugar. Ele orou aos Deuses Antigos, e na manhã seguinte os selvagens realmente partiram. Antes disso, no entanto, três dos homens descobriram a barragem sobre o lago, seguiram-na um pouco, mas depois caíram na água na primeira curva. Um grande homem careca disse algo na Língua Antiga, e eles desistiram de seguir a barragem. Eles partiram um pouco mais tarde e Bran quis procurar Verão imediatamente, mas Jojen ordenou que eles ficassem na torre mais uma noite. Naquela tarde, Verão aventurou-se a sair do esconderijo, arrastando uma perna atrás de si, e comeu os cadáveres que os selvagens haviam deixado para trás. Então Verão nadou até a ilha, e Meera tirou a flecha de sua perna e lhe aplicou um unguento feito de ervas medicinais. Verão ainda está mancando, mas está ficando cada vez melhor.

O grupo explora as ruínas do castelo

Meera sugere tentar outro castelo, mas Bran diz que o próximo é o Lago Profundo, depois o Portão da Rainha, e o oeste é o Marcagelo. Todos os castelos seriam exatamente iguais ao Fortenoite, só que menores, e os portões também estariam lacrados. Meera fica impaciente e sugere pelo menos escalar a muralha, mas Jojen também não acha que isso faça sentido. Bran lembra que era um escalador particularmente bom antes de cair. Ele deseja poder escalar no lugar de Meera, e olhar para a terra além da Muralha. Apesar disso, Meera prevalece e sobe as escadas, em que os degraus foram cortados do gelo da própria Muralha, mas se tornaram menores e mais escorregadios ao longo dos séculos devido ao degelo. Eles assistem de baixo enquanto Meera sobe e finalmente desaparece no cume, e eles próprios começam uma exploração no solo. Verão pega um rato, e eles encontram inúmeras entradas sombrias na parte de baixo, e muitos mais ratos.

Jojen diz que é um lugar antigo, e Bran lembra que uma vez ouviu que Fortenoite era duas vezes mais velho que Castelo Negro e que ele foi o primeiro castelo na Muralha e o maior. Foi abandonado na época do Velho Rei, e nessa época tinha três quartos vazios. A rainha Alysanne Targaryen havia proposto que uma nova fortaleza menor fosse construída nas proximidades, e também o Lago Profundo onde a Muralha se curvava ao longo da margem de um belo lago verde.

Os 79 Sentinelas

Bran conta a Jojen a história dos setenta e nove sentinelas: De acordo com a lenda, setenta e nove irmãos da Patrulha da Noite desertaram de seus postos em Fortenoite e se mudaram para o sul para viver fora da lei. Um deles era o filho mais novo do então Lorde Ryswell. Quando chegaram às terras acidentadas, pediram abrigo, mas Lorde Ryswell capturou todos eles e mandou trazê-los de volta à Fortenoite. Como punição, o então Senhor Comandante da Patrulha da Noite fez setenta e nove buracos no gelo no lado norte da Muralha, colocou cada um dos desertores neles e os deixou congelar vivos nos buracos. Todos eles tinham berrantes e lanças em seus buracos e, como não queriam manter seus postos em vida, deveriam fazê-lo agora na morte. Anos mais tarde, quando Lorde Ryswell estava velho e morrendo, ele mesmo foi levado para Fortenoite, vestido de preto, e se juntou a seu filho para compartilhar sua vigia, pois embora ele tivesse que mandá-lo para a morte por uma questão de honra, então ele amava seu filho de qualquer maneira.

Eles passam o dia inteiro explorando o castelo: sobem na torre do sino, visitam o viveiro de corvos, passam sob a cervejaria e descobrem enormes barris de carvalho, e encontram uma biblioteca sem livros. Em seguida, eles descobrem uma enorme masmorra que poderia acomodar 500 homens cativos. O Grande Salão era apenas uma parede em ruínas, e a casa de banhos parecia estar se afundando no chão. Um enorme espinheiro conquistou o pátio de treinos em frente ao arsenal, onde irmãos de negro um dia tinham trabalhado com lanças, escudos e espadas. No entanto, o arsenal e a forja ainda se mantinham em pé, embora as teias de aranha, as ratazanas e a poeira tivessem ocupado o lugar das lâminas, dos foles e da bigorna. De vez em quando, Verão mostra os dentes, mas eles não encontram ninguém. Meera volta para eles à noite. Por quilômetros ela viu apenas a Floresta Assombrada, mas infelizmente não há como descer a muralha do lado norte. Meera pergunta novamente, mas Jojen tem certeza de que há um portão em algum lugar do castelo.

O Rei da Noite

Enquanto o sol se põe, Bran se lembra de outra história da Velha Ama: O Rei da Noite foi o décimo terceiro Lorde Comandante da Patrulha da Noite, um guerreiro que não conhecia o medo. Certo dia, ele viu uma mulher cuja pele era pálida como a lua e que tinha olhos azuis brilhantes. Ele a perseguiu, a capturou e a amou, embora sua pele fosse tão fria como o gelo, e quando ele deu a ela seu sêmen, ele deu a ela sua alma ao mesmo tempo. Então ele a trouxe para Fortenoite e se declarou rei, e ela sua rainha. Ele governou por 13 anos. Ações terríveis foram cometidas durante os anos sombrios de seu reinado, histórias das quais ainda são contadas no Norte. Somente quando Brandon o Transgressor, o Rei do Norte, e Joramun, o Rei-Para-Lá-da-Muralha, uniram suas forças, o Rei da Noite pode ser derrotado e a Patrulha da Noite libertada da servidão. Quando, após sua queda, foi descoberto que ele havia feito sacrifícios aos Outros, todos os registros de sua existência foram destruídos e seu nome foi banido e esquecido. Há especulações sobre a ancestralidade do Rei da Noite: alguns afirmam que ele era um Bolton, outros afirmam que ele era um Magnar de Skagos, e ainda outros dizem que ele tem origem em várias casas: Umber, Flint, ou Norrey. Alguns até afirmam que ele era um homem Woodfoot que viveu antes dos homens de ferro governarem a Ilha dos Ursos. A Velha Ama disse para Bran que ele na verdade era um Stark, "o irmão do homem que o derrubou".

Eles passam a noite na cozinha, um octógono de pedra com sua cúpula quebrada onde a árvore invadiu o telhado. Embora esta árvore de represeiro seja estreita e nenhuma face tenha sido esculpida nela, Bran sente o poder dos Deuses Antigos ali, e se sente seguro por isso. O telhado ainda está em parte intacto, o que pode protegê-los da chuva, mas está muito frio. Bran estremece as sombras do local, e enormes fornos de tijolo que os rodeiam como bocas abertas, com enferrujados ganchos para carne, ou das cicatrizes e manchas que via na mesa de carniceiro, junto à parede. Ele pensa novamente no Cozinheiro Ratazana, que poderia ter feito sua torta de príncipe ali. O poço no meio da cozinha é a coisa mais assustadora para ele. É muito largo e tem degraus na extremidade que levam para baixo. Hodor pega um pedaço de ardósia e joga no poço, e lá embaixo eles a ouvem espirrando na água. Em seguida, Meera envia Hodor para coletar lenha e Verão desaparece para caçar. Eles fazem uma fogueira e assam um peixe.

O Cozinheiro Ratazana

Enquanto preparam a refeição, Bran pensa na antiga história da Velha Ama sobre o Cozinheiro Ratazana: Segundo a lenda, o homem era originalmente o cozinheiro dos homens em Fortenoite. Ele serviu um empadão para um rei dos ândalos no qual a carne do príncipe, filho do rei, estava no recheio. Disso, o rei não sabia. Desta forma, o cozinheiro retribuiu o favor por uma injustiça que o rei lhe fizera. O cozinheiro preparou a torta com vinho tinto e havia muitos vegetais à parte. O rei comeu a torta, até elogiou o prato e pediu uma segunda fatia. Os deuses, porém, zangaram-se com o cozinheiro por infringir a Lei da Hospitalidade, transformaram-no num enorme rato branco e praguejaram sobre ele: a partir de então, ele só poderia se alimentar de seus próprios filhotes de rato. Segundo a lenda, todos os ratos no Fortenoite são seus descendentes, dos quais o cozinheiro se alimenta, mas dos quais nunca fica satisfeito.

Sam e Goiva aparecem no meio da noite

Depois de comer, eles se deitam para dormir. Bran não consegue dormir direito e, eventualmente, um ruído distante o acorda. Ele escuta por um tempo e então tem certeza de que devem ser alguns passos. Bran pensa no Machado Louco e na coisa saída da noite, e que nos aprendizes que viram a coisa, mas descreveram de formas diferentes depois. Três meninos morreram em um ano, um quarto enlouqueceu. Cem anos depois a coisa foi vista novamente, com os aprendizes arrastados atrás dele acorrentados. Bran então ouve um som vindo do poço. Ele reconhece um gemido fraco e passos desajeitados, bem como uma respiração difícil. Bran desliza silenciosamente até Meera e a acorda pegando seu pé. Ela imediatamente acorda e ouve o barulho também. Meera corre ao redor do poço, e Bran não quer deixá-la lutar sozinha, mas Verão está muito longe, então ele desliza para dentro do corpo de Hodor, o que é muito mais difícil para ele, mas finalmente ele pode se levantar e desembainhar sua longa espada. Então, uma enorme figura negra aparece do poço, e Bran é expulso do corpo de Hodor e se encontra deitado no chão em seu próprio corpo. Meera arremessa sua rede sobre a figura escura e está prestes a atacar com sua lança, quando a figura começa a choramingar. Então a figura diz que seu nome é Sam, e Jojen lança brasas da fogueira de volta ao fogo para que eles possam finalmente ver algo. Na beira do poço, agora está uma menina com um bebê recém-nascido nos braços.

Bran percebe que a figura no chão nada mais é do que um homem gordo vestido com as roupas pretas da Patrulha da Noite. Sam diz que seu nome é Samwell Tarly e Goiva também se apresenta. Meera liberta Sam e eles dizem que vieram da fortaleza de Craster. Goiva explica que eles tiveram a ajuda de uma figura chamada Mãos Frias que está procurando por uma pessoa específica, e ela pergunta se Jojen é essa pessoa. Sam diz que Mãos Frias havia dito a eles que haveria pessoas dentro do castelo. Bran duvida que Sam, um gordo, possa realmente ser um irmão juramentado, em parte porque ele parece ser muito medroso, mas Sam diz que ele era "apenas" o garoto do Lorde Comandante Jeor Mormont responsável pelos corvos. Então ele soluça, dizendo que primeiro perdeu os corvos no Punho dos Primeiros Homens e depois não foi capaz de encontrar a Muralha, embora ela tenha centenas de quilômetros de comprimento.

Quando Jojen pergunta como eles conseguiram atravessar a Muralha, Sam explica que existe um portão antigo que Mãos Frias chamou de Portão Negro. Ele explica que deverá conduzi-los até lá porque eles não conseguirão encontrá-lo por conta própria e, mesmo se o encontrassem, não conseguiriam abri-lo: apenas um irmão juramentado da Patrulha da Noite pode abri-lo porque é o "Portão Negro". Eles então falam mais sobre Mãos Friaa: seu nome não é realmente esse, mas Goiva e Sam deram-lhe este nome porque suas mãos são frias como gelo. Ele também a salvou das criaturas e os trouxe até ali com seus corvos e em seus alce. Bran pergunta com entusiasmo se ele é um homem verde, porque a Velha Ama disse que eles montavam alces e alguns tinham chifres, mas Sam responde que ele se vestia de preto como um irmão da Patrulha da Noite mas era pálido como uma criatura. Mas ao contrário dos mortos, ele não tinha olhos azuis e conseguia de falar. Em seguida, ele incentiva Jojen a sair, porque Mãos Frias já estaria esperando por ele. Meera, desconfiada, pergunta por que Mãos Frias não veio com eles se Goiva, que não é patrulheira, conseguiu passar pelo portão, mas Sam explica que a Muralha funciona como uma barreira mágica para Mãos Frias. Jojen diz a Sam para levar Bran, não ele, e Sam olha para ele com incerteza. Quando Bran explica que Hodor geralmente o carrega nas costas em uma cesta, Sam se lembra das histórias Jon Snow. Ele pergunta se Bran é irmão de Jon, e Bran apenas pede a ele para manter isso em segredo, mas Sam explica que Jon é seu melhor amigo, mas que infelizmente ele não voltou após sua expedição com Qhorin Meia-Mão. Então Bran diz que viu Jon através dos olhos de Verão, junto com alguns selvagens. A princípio Sam pensa que Meera é Verão, mas então o lobo gigante pula da cúpula para a cozinha tão silenciosamente quanto a neve. Sam diz que conhece Fantasma, e que Jon lhe contou que todas as crianças Stark tinham lobos gigantes. Sam cuidadosamente estende sua mão para Verão, o lobo gigante o cheira brevemente e depois o lambe. Assim, Bran decide que eles irão com Sam.

O Portão Negro

O Portão Negro por Kerry Barnett © FFG

Eles deixam Goiva perto do fogo da cozinha e descem os degraus do poço. É um longo caminho para baixo, e o luar fica cada vez mais esparso a cada volta. Quando a abertura do poço acima deles mostra apenas uma pequena lua, Sam finalmente para. Eles alcançaram o portão: ele é feito de represeiro branco e tem uma face esculpida. A porta brilha como a luz da lua e o leite, mas também seu reflexo ao mesmo tempo é fraco, parecendo iluminar apenas si mesmo. O rosto é velho, pálido e enrugado. Os olhos estão fechados, assim como a boca, as bochechas são encovadas, a testa é enrugada e o queixo flácido. Conforme Sam se aproxima, seus olhos se abrem, eles são brancos e cegos, e a porta pergunta: "Quem é você?" Sam cita parte de seu juramento: "Eu sou a espada na escuridão. Sou o vigilante nas muralhas. Sou o fogo que arde contra o frio, a luz que traz consigo a alvorada, a trombeta que acorda os que dormem. Sou o escudo que defende os reinos dos homens." A porta responde: "Então passe", e o portão se abre. Enquanto os lábios do rosto se abrem, é possível entrar. Quando Bran passa o rosto pelo lábio superior da árvore, porque Hodor mais uma vez não se abaixa o suficiente, uma gota de água morna corre por seu rosto, tão salgada quanto uma lágrima.

Citações


O Cozinheiro Ratazana tinha feito com o filho do rei ândalo um grande empadão com cebolas, cenouras, cogumelos, montes de pimenta e sal, uma fatia de bacon e um escuro vinho tinto de Dorne. Depois, serviu-o ao pai dele, que elogiou o sabor e pediu para repetir. Mais tarde, os deuses transformaram o cozinheiro numa monstruosa ratazana branca que só podia comer os próprios filhos. Desde então, vagueava por Fortenoite, devorando os filhos, mas sua fome ainda não estava saciada.
—— pensamentos de Bran Stark.



Jojen: Este… Mãos-Frias?
Goiva: Esse não é seu verdadeiro nome. É só um nome que nós demos para ele, o Sam e eu. As mãos dele eram frias como gelo, mas nos salvou dos mortos, ele e seus corvos, e nos trouxe para cá no seu alce.
Bran: O seu alce?
Meera: O seu alce?
Jojen: Os seus corvos?
Hodor: Hodor?
Bran: Ele era verde? Tinha chifres?
—— Todos questionando Sam e Goiva sobre Mãos Frias.


Links externos

Sobre a página

Esta página utiliza conteúdo baseado em A Storm of Swords-Chapter 56, um artigo de A Wiki Of Ice And Fire.