Invasão Ândala

De Gelo e Fogo wiki
(Redirecionado de Invasão dos Ândalos)
Ir para: navegação, pesquisa
Invasão Ândala
Andals invade.png
Uma frota de navios ândalos chegando na costa leste de Westeros, por Jordi Gonzalez Escamilla ©.

Local Westeros
Resultado Ocupação das terras ao sul do Gargalo pelos ândalos
O último reino dos Primeiros Homens passou a ser o Norte
Desaparecimento dos Filhos da Floresta


Beligerantes
ÂndalosPrimeiros Homens
Filhos da Floresta
Cranogmanos
Nascidos do ferro
Comandantes notáveis
Argos Setestrelas
Sor Gerold Grafton
Hammer das Colinas
Sor Artys I Arryn
Vorian Vypren
Armistead Vance
Erreg
Morgan Martell
Rei Theon Stark
Rei Yorwyck VI Royce
Rei Robar II Royce
Rei Tristifer IV Mudd
Rei Tristifer V Mudd
Rei Qarlton II Durrandon
Rei Qarlton III Durrandon
Rei Monfryd V Durrandon
Rei Baldric I Durrandon

A Invasão Ândala (ou "Chegada dos Ândalos") foi uma migração em massa dos Ândalos de Essos a Westeros. Ocorreu entre 6 e 4 mil anos antes do Desembarque de Aegon, e foi violenta. Os antigos reinos dos Primeiros Homens foram destruídos (com exceção do Norte), e os filhos da floresta expulsos para o norte. Por vezes, a dominação foi mais pacífica, com casamentos entre Ândalos e os Primeiros Homens, como no caso da Casa Hightower.

História

Uma guerra de gerações havia ocorrido em Westeros entre os Primeiros Homens e os Filhos da Floresta, mas o Pacto entre esses povos levou a quase quatro mil anos de paz e os Primeiros Homens adotaram vários aspectos da cultura dos Filhos da Floresta, como a adoração aos Deuses Antigos.[1] Os Ândalos, o primeiro povo que migrou para Westeros desde o Pacto, veio das colinas de uma região também chamada de Ândalos, no oeste de Essos. Eles eram altos e de cabelo claro. Seus guerreiros carregavam espadas de ferro e pinturas nos seus corpos como homenagem aos Sete Deuses.[2][1] A Fé dos Sete ensina que Hugor da Colina e os Ândalos receberam uma promessa dos Sete Deuses que lhes dariam reinos em uma terra estrangeira, o que os levou a imigrar para Westeros. Contudo, meistres discordam e acreditam que os Ândalos deixaram Essos sob a pressão das expansões territoriais do Império Valiriano,[3] que estava conquistando e subjugando incontáveis povos com seus dragões, forçando milhares a escravidão.[4] Os ândalos manipulavam o ferro ao invés do bronze dos Primeiros Homens, que seriam derrotados nos séculos seguintes em uma série de guerras pontuais.[3]

O Vale

Os Dedos, no que agora é chamado de Vale de Arryn, foi a região onde os Ândalos desembarcaram primeiro e logo engajaram os Primeiros Homens em batalha.[5] Os Primeiros Homens no Vale eram divididos em diversos pequenos reinos, sendo que alguns optaram por se aliar aos Ândalos ao invés de resistir a eles. As Casas Shells e Brightstones foram traídas e a Casa Corbray, que eram ândalos, reclamaram os Dedos para si. Os Shetts de Vila Gaivota se aliaram aos ândalos da Casa Grafton contra os Royces, mas no final Vila Gaivota caiu na mão dos ândalos.[6]

O rei Yorwyck VI Royce e seus herdeiros lideraram muito da resitência dos Primeiros Homens contra os Ândalos. O rei Robar II Royce ganhou o apoio das Casas Redforts, Hunters, Belmores, Coldwaters e Upcliffs. Essa aliança conseguiu derrotar vários senhores da guerra ândalos, incluindo os Corbrays, os Graftons e Hammer das Colinas. Contudo, o exército de Robar foi estraçalhado na Batalha das Sete Estrelas e o Vale acabou unificado pelo controle da Casa Arryn, de uma das mais puras linhagens ândalas.[6] Os lordes dos Primeiros Homens que sobreviveram decidiram dobrar o joelho e aceitar a dominação dos Arryn. Porém alguns dos Primeiros Homens que se recusaram a se submeter acabaram fugindo para as Montanhas da Lua e se tornaram os clãs da montanha do Vale.[3]

Terras Fluviais

Tristifer IV Mudd sendo derrotado durante uma batalha contra os Ândalos.

Após conquistar o Vale, os ândalos continuaram sua expansão rumo a oeste atravessando o Portão Sangrento ou navegando pelo Tridente até as Terras Fluviais, onde começaram a estabelecer seus pequenos reinos. As histórias contam a respeito da Queda de Lagoa da Donzela e a morte do jovem rei Florian V Mooton; o Charco da Viúva foi onde os três filhos de Lorde Darry detiveram Vorian Vypren e seus guerreiros ândalos por um dia e uma noite, matando centenas de inimigos antes deles mesmos caírem; as canções também narram os eventos no Bosque Branco. Os Blackwoods e Brackens se aliaram para se opôr aos ândalos, mas foram derrotados por 777 cavaleiros e sete septões ândalos, no que ficaria conhecido como "a Batalha do Rio Amargo".

O maior dos Reis dos Rios a se opôr aos ândalos foi Tristifer IV Mudd, com quem os Tullys haviam lutado juntos em várias campanhas. É dito que Tristifer lutou em cem batalhas, vencendo 99 e perdendo uma. Quando Roland II Arryn, o Rei da Montanha e do Vale, invadiu as Terras Fluviais e conquistou uma série de vitórias contra pequenos reis locais, ele se deparou com Tristifer, que esmagou suas tropas e forçou o recuo dos Cavaleiros do Vale. Um dos aliados de Roland o traiu e o entregou para Tristifer que o decapitou em Pedravelhas, a sede da Casa Mudd.[7] Tristifer acabou sendo derrotado quando sete reis ândalos o atacaram simultaneamente; o maior dos líderes ândalos era Armistead Vance.[8] Tristifer V, filho do velho rei, não conseguiu repetir as glórias de seu pai e o reino da Casa Mudd caiu perante os ândalos. Para evitar massacres, muitas Casas nobres dos Primeiros Homens ao longo do Tridente resolveram dobrar o joelho aos invasores. Nas décadas e séculos seguintes, casamentos interraciais se tornaram comuns, com a cultura ândala predominando nas Terras Fluviais (com algumas exceções).[3]

Os ândalos tiveram mais dificuldades quando invadiram Ponta da Garra Rachada, onde agora são as Terras da Coroa. Os nativos conseguiram resistir aos invasores, lutando em seus vales e pântanos. Eventualmente, os ândalos e o povo da Garra Rachada firmaram pactos de casamento e o resto da assimilação ândala na região foi pacífica.[9]

Enquanto os ândalos avançavam, eles queimavam as árvores Represeiro e matavam todos os filhos da floresta que encontravam,[1] acreditando que elas eram abominações, embora em História Verdadeira afirmam que os filhos da floresta já tinham desaparecido das Terras Fluviais quando os ândalos invadiram.[10] O rei ândalo Erreg, o Assassino de Parentes, atacou Coração Alto, um local sagrado para os filhos da floresta das Terras Fluviais, matando-os e também seus aliados dos Primeiros Homens, destruindo os Represeiros também.[3]

Os ândalos falharam em conquistar a Ilha das Caras, levando alguns a crer que os Filhos da Floresta sobreviveram por lá, com ajuda dos homens verdes.[3]

Após a conquista, os ândalos começaram a lutar uns contra os outros por dominação. Isso só parou quando a Casa Justman tomou o controle, como reis, de boa parte das Terras Fluviais.[10]

Terras da Tempestade

Ândalos cruzando o mar estreito.

Quando os ândalos começaram a cruzar o mar estreito, Erich o Despreparado era o Rei da Tempestade da Casa Durrandon de Ponta Tempestade. Ele demonstrou pouco interesse nos invasores pois ele já estava envolvido em suas próprias guerras internas. Ele viria a falecer no momento em que os ândalos dominaram o Vale.

Logo após a conquista do Vale, os ândalos navegaram para a Baía da Água Negra e depois para as Terras da Tempestade. O senhor da guerra ândalo Togarion Bar Emmon se aliou aos Primeiros Homens da Casa Massey e expulsou os nativos da região do Gancho de Massey e estabeleceram o controle ândalo na península. O neto de Erich o Despreparado, o rei Qarlton o Conquistador, foi o primeiro Rei da Tempestade a enfrentar os ândalos em batalha e durante seu governo e de seus sucessores, Qarlton III e Monfryd V, passariam boa parte do seu tempo tentando conter os invasores. Os Reis da Tempestade venceram ao menos seis grandes batalhas contra os ândalos, incluindo a grande Batalha de Portabrônzea quando o rei Monfryd V Durrandon derrotou a Irmandade Sagrada dos Ândalos no fim de sua vida, mas os ândalos continuaram a invadir, conquistando Tarth e Estermont.

Para evitar que os ândalos conquistassem toda a Mata de Chuva, o rei Baldric o Esperto manipulou os pequenos reis e senhores da guerra ândalos no Cabo da Fúria a atacarem uns aos outros. O rei Durran XXI se aliou aos filhos da floresta que ainda estariam nas cavernas e nas cavidades nas montanhas para conquistar vitórias nas batalhas de Pantano Negro, de Matabruma e sob a Colina Uivante, e assim conseguiram evitar o declínio imediato do Reino da Tempestade. Uma geração depois, o rei Cleoden I se aliou a três reis dorneses e derrotou o ândalo Drox o Fazedor-de-Cadáveres na batalha no rio Slayne, perto de Pedrelmo.[11]

Eventualmente, os Durrandons e os ândalos firmaram acordos após estes falharem, pela sétima vez, em tomar Ponta Tempestade. Começou uma série de casamentos interraciais entre nobres ândalos e dos primeiros homens; o rei Maldon IV e seu filho, Durran XXIV, por exemplo, se casaram com donzelas ândalas. Os ândalos juraram fidelidade aos Reis da Tempestade, enquanto o rei Ormund III e sua rainha se converteram a Fé dos Sete.[11]

O Norte

Quando os ândalos atacaram as praias leste do Norte, eles encontraram feroz resistência dos Reis do Inverno da Casa Stark de Winterfell e seus vassalos dos primeiros homens.[12]

O rei Theon Stark, o Lobo Faminto, recebeu apoio da Casa Bolton, liderando as forças nortenhas contra os ândalos, liderados por Argos Setestrelas, derrotando-os na Batalha das Águas Chorosas. Theon então navegou pelo leste, saqueando as terras Ândalas, em Essos. Depois ele ordenou que fossem infincadas em estacas pela sua costa as cabeças de ândalos mortos, como um aviso contra futuras invasões.[12]

Após a conquista do Tridente e das Terras Fluviais, os ândalos começaram a atacar as terras nortenhas por terra, através do Gargalo. Contudo, os cranogmanos resistiram a eles e os nortenhos derrotaram grandes exércitos ândalos sob as fortificações de Fosso Cailin; não se sabe ao certo quantas forças de invasão ândalas foram derrotadas no Gargalo.[1][3]

Eventualmente, os ândalos foram perdendo o interesse e desistiram de tentar invadir o Norte e deixaram os Primeiros Homens de lá em paz.[1] Com o passar dos milênios, sangue ândalo acabou entrando no Reino do Norte através de casamentos dinásticos.

Dorne

A influência dos ândalos foi menor em Dorne do que nos outros reinos do sul de Westeros. A maioria dos ândalos se concentraram nas terras mais próximas ao mar estreito, ao invés de investir contra as areias dornesas. Alguns, como as Casas Ullers, Qorgyles e Vaiths, avançaram pelas regiões inóspitas de Dorne. Os Allyrions, Jordaynes e Santagars também estabeleceram seus domínios. Os Martells derrotaram duas Casas dos Primeiros Homens, os Wades e Shells, reivindicando o território na foz do Sangueverde.[13]

Terras Ocidentais

Os ândalos começaram sua invasão das Terras Ocidentais após conquistarem o Vale e as Terras Fluviais. Tybolt Lannister, o Rei do Rochedo, derrotou o primeiro senhor da guerra ândalo que tentou atacar seus domínios. Os reis da Casa Lannister continuaram, com o passar dos anos, defendendo suas terras dos ataques ândalos.[14]

Com os ândalos ainda insistindo a invadir o oeste, os reis Tyrion III e Gerold II organizaram casamentos dos seus vassalos com poderosos senhores da guerra ândalos. Filhos de nobres ândalos foram enviados para Rochedo Casterly para servirem como guardiões e também reféns. Após a morte do rei Gerold III Lannister, o marido de sua filha, um cavaleiro ândalo chamado Sor Joffrey Lydden, tomou o sobrenome Lannister para si e foi coroado rei. Entre as Casas formadas a partir de casamentos interraciais entre os Primeiros Homens e Ândalos estão os Brax, Drox, Jast, Kyndall, Lefford, Marbrand, Parren, Sarsfield e Serrett. Ao contrário de outros reis dos Primeiros Homens que pereceram combatendo os invasores, os Lannister conseguiram conservar sua autoridade e expandiram seus poderes como Reis do Rochedo, contando com apoio ândalo.[14]

A Campina

A Campina foi uma das últimas regiões a verem as invasões ândalas, enquanto estes conquistavam o Vale, as Terras Fluviais e as Terras da Tempestade. Um dos motivos do atraso dos ândalos investirem sobre a Campina foi o fato deles terem sido detidos pelas frotas das Casas Hightower de Vilavelha e os Redwynes da Árvore. Os Reis da Campina da Casa Gardener, governando a partir de Jardim de Cima, prepararam as defesas da Campina contra os ândalos. O rei Gwayne IV buscou ajuda dos filhos da floresta, enquanto o rei Mern II focou em aprimorar suas fortificações. O rei Mern III banhou de ouro e glória uma bruxa do bosque que afirmava poder levantar exércitos de mortos. Os ândalos, contudo, nunca lançaram ataques diretos contra a Campina.[15]

Quando os ândalos, desunidos, chegaram na Campina, gerações mais tarde, os Gardeners decidiram recebe-los sem hostilidade. Os Três Reis Prudentes: Garth IX, o filho Merle I e o neto Gwayne V, ao invés de resistir a eles, concederam terras, esposas e títulos de nobreza para os mais poderosos lordes ândalos. Garth IX trouxe um septão para sua corte e construiu um grande Septo em Jardim de Cima. Merle I se converteu a Fé dos Sete, promovendo a construção de septos, septerias e casas da mãe pela Campina. Gwayne V foi o primeiro rei Gardener a nascer na Fé e foi o primeiro a ter sido feito cavaleiro. Para promover mais integração com os recém chegados, Merle I e Gwayne V tomaram noivas ândalas e os Três Reis Prudentes se cercaram de cavaleiros e conselheiros ândalos. Por exemplo, Sor Alester Tyrell, fundador da Casa Tyrell, se tornou o campeão de Gwayne V e seu escudo juramentado.[15][16]

A Casa Hightower de Vilavelha estava entre as primeiras a aceitar ândalos em seus serviços.[17] Lorde Dorian Hightower dispensou sua esposa por uma princesa ândala e o lorde Damon foi o primeiro dos Hightower a nascer na Fé. Após a morte prematura de Damon, seu filho, o jovem Triston, foi criado e treinado pelo septão Robeson, que eventualmente se tornaria o primeiro Alto Septão. Triston honrou Robeson ao construir o Septo Estrelado, enquanto seu filho, Lorde Barris Hightower, deu ao Alto Septão sua primeira coroa de cristal.[17]

Os Gardeners encorajaram artesãos ândalos, especialmente ferreiros e pedreiros, a se assentar na Campina, armando seus juramentados com espadas e lanças de ferro ao invés de bronze e melhorando suas fortificações com alvenaria ândala.[15]

Entre as famílias formadas a partir de casamentos e interações entre os Primeiros Homens e os Ândalos estão as Casas Cuy, Graceford, Leygood, Orme, Roxton, Uffering e Varner. Foi na Campina que a integração entre os dois povos foi a mais próxima e os ândalos ajudaram os Gardeners contra futuras invasões, incluindo de outros ândalos. Meistre Yandel escreveu: "raramente uma conquista foi alcançada com tão pouco sangue derramado."[15]

Ilhas de Ferro

Os ândalos então viraram seus olhos para as Ilhas de Ferro, cerca de mil anos após o primeiro desembarque nos Dedos.[3] Enquanto os ândalos conquistavam e se assentavam nas Terras Fluviais, nas Terras Ocidentais e na Campina, eles fortaleceram suas defesas e, combinado com a habilidade dos ândalos no mar, isso enfraqueceu muito o poder dos nascidos do ferro no Mar Poente. Os ândalos invadiram as Ilhas de Ferro em ondas, normalmente apoiados por alguns lordes locais.[18]

Rognar II Greyiron, o Rei das Ilhas de Ferro, foi derrotado por uma aliança entre os Ândalos e as Casas Drumm, Greyjoy, Hoare e Orkwood. De acordo com a lenda, Harras Hoare foi escolhido como rei após uma competição do jogo dança dos dedos, mas o arquimeistre Haereg afirma que Harras se tornou rei após se casar com a filha de um senhor da guerra ândalo.[18] Os monarcas da Dinastia Hoare eram constantemente denegridos por outros homens de ferro, especialmente os sacerdotes do Deus Afogado, por se casarem e se aliarem com ândalos, por tolerarem a Fé dos Sete e promoverem comércio ao invés do saque.[19] Apesar da conquista ândala ter sido praticamente completa, a cultura local (com o Costume Antigo) permaneceu. A adoração aos Sete nunca vingou nas Ilhas de Ferro e a maioria das famílias Ândalas acabaram eventualmente se convertendo ao nativo Deus Afogado.[3]

Consequências

Os Ândalos eram um povo conquistador, mas eles eram superados em números pelos Primeiros Homens de Westeros. Para consolidar seu controle, os reis e senhores da guerra ândalos casavam-se com esposas e filhas de reis derrotados dos primeiros homens. A maioria dos Primeiros Homens no sul acabaram absorvendo a cultura ândala e se converteram a Fé dos Sete, mas muitos castelos sulistas ainda conservam seus Bosques Sagrados com seus represeiros, na maioria dos casos para evitar tensões religiosas.[3] A exceção a isso foi nas Ilhas de Ferro, onde a adoração ao Deus Afogado foi adotada pelos invasores ândalos.[3]

Os ândalos introduziram a escrita a Westeros, já que os Primeiros Homens utilizavam runas cravadas em pedras. Tudo escrito desde então, como a Era dos Heróis, a Era da Aurora e a Longa Noite, foi transcrito por septões. Os ândalos também introduziram armas de ferro e alvenaria superior ao continente.[1][10] O conceito de "cavaleiro" foi trazido pelos ândalos e o cavalheirismo se espalhou por Westeros, ganhando força principalmente na Campina.[20][21]

Uma das principais consequências, que caiu bastante no esquecimento, da invasão ândala foi o fim do Pacto. Os filhos da floresta remanescentes abandonaram Westeros e desapareceram, ao ponto de virarem lendas. Os poucos sobreviventes residiriam na região Para Lá da Muralha.[1]

Após a invasão Ândala, havia seis grandes reinos no sul de Westeros que eram dominados pelos ândalos e seus descendentes: os domínios do Rei da Montanha e do Vale, do Rei do Rochedo, do Rei da Campina, do Rei das Ilhas de Ferro, do Rei do Tridente e do Rei da Tempestade. Dorne permaneceu uma península dividida entre nobres de ascendência dos primeiros homens e dos ândalos, que constantemente guerreavam entre si ou contra os seus vizinhos (isso só mudaria com a Invasão Roinar). Foi no Norte, contudo, que os Primeiros Homens mantiveram seu poder, liderados pelos Reis do Inverno.[22]

Após a emigração em massa, a presença da cultura Ândala em Essos se tornou insignificante.[23]

Veja também

Referências e Notas

  1. 1,0 1,1 1,2 1,3 1,4 1,5 1,6 A Guerra dos Tronos, Capítulo 66, Bran.
  2. A Guerra dos Tronos, Capítulo 40, Catelyn.
  3. 3,00 3,01 3,02 3,03 3,04 3,05 3,06 3,07 3,08 3,09 3,10 O Mundo de Gelo e Fogo, Referência errada.
  4. O Mundo de Gelo e Fogo, Referência errada.
  5. A Tormenta de Espadas, Capítulo 68, Sansa.
  6. 6,0 6,1 O Mundo de Gelo e Fogo, Referência errada.
  7. O Mundo de Gelo e Fogo, Referência errada.
  8. O Mundo de Gelo e Fogo, Referência errada.
  9. O Festim dos Corvos, Capítulo 20, Brienne.
  10. 10,0 10,1 10,2 O Mundo de Gelo e Fogo, Referência errada.
  11. 11,0 11,1 O Mundo de Gelo e Fogo, Referência errada.
  12. 12,0 12,1 O Mundo de Gelo e Fogo, Referência errada.
  13. O Mundo de Gelo e Fogo, Referência errada.
  14. 14,0 14,1 O Mundo de Gelo e Fogo, Referência errada.
  15. 15,0 15,1 15,2 15,3 O Mundo de Gelo e Fogo, Referência errada.
  16. O Mundo de Gelo e Fogo, Referência errada.
  17. 17,0 17,1 O Mundo de Gelo e Fogo, Referência errada.
  18. 18,0 18,1 O Mundo de Gelo e Fogo, Referência errada.
  19. O Mundo de Gelo e Fogo, Referência errada.
  20. O Mundo de Gelo e Fogo, Referência errada.
  21. O Mundo de Gelo e Fogo, Referência errada.
  22. A Song of Ice and Fire Campaign Guide
  23. So Spoke Martin: Yet More Questions, 22 de julho de 2001

Nota: Esta página utiliza conteúdo da A Wiki Of Ice And Fire. O conteúdo original está aqui em Coming of the Andals. A lista de autores pode ser vista no histórico da página.