Batalha de Pouso de Gralhas

De Gelo e Fogo wiki
Ir para navegação Ir para pesquisar

 

Batalha de Pouso de Gralhas
Sunfyre Vs Meleys by Jordi González.jpg
Aegon II e Sunfyre sendo gravemente feridos por Rhaenys e Meleys, por Jordi Gonzales Escamilla © para O Mundo de Gelo e Fogo.
Conflito Dança dos Dragões
Data 129 d.C.
Local Pouso de Gralhas
Resultado Vitória dos Verdes
Beligerantes
Os Verdes (partidários de Aegon II) Os Negros (partidários da Rainha Rhaenyra)
Comandantes
Sor Criston Cole
Rei Aegon II Targaryen (ferido)
Príncipe Aemond Targaryen
Lorde Staunton
Rhaenys Targaryen
Forças
3 000 soldados
  • 100 cavaleiros
  • 500 homens-de-armas
  • 1 800 mercenários
  • mais as forças Rosby e Stokeworth após sua submissão
Sunfyre
Vhagar
Guarnição de Pouso de Gralhas
Meleys
Baixas
~ 800 mortos pelo menos 100 mortos

A Batalha de Pouso de Gralhas foi um combate que aconteceu nas Terras da Coroa durante a Dança dos Dragões.[1]

Prelúdio

Sor Criston Cole, o Senhor Comandante da Guarda Real e novo Mão do Rei de Aegon II Targaryen, desenvolveu uma estratégia mais agressiva para o Verdes do que seu predecessor na posição de Mão, Sor Otto Hightower. Criston planejou uma armadilha para os Negros em Pouso de Gralhas, ao mesmo tempo que forçaria a submissão das casas nobres próximas das Terras da Coroa que haviam se alinhado a Rhaenyra Targaryen.[1]

Criston Cole marchou de Porto Real com um exército de aproximadamente 2 400 homens, incluindo 100 cavaleiros, 500 homens de armas e cerca de 1 800 mercenários. Os lordes Rosby e Stokeworth haviam recentemente dobrado o joelho para Aegon a fim de evitar serem executados e Criston os forçou a provar sua lealdade, adicionando as forças de Rosby e Stokeworth ao exército Verde. A tropa reunida agora era de aproximadamente 3 000 homens quando eles chegaram em Valdocaso. Esta fortaleza foi pega completamente de surpresa e despreparada, e rapidamente caiu nas mãos das forças de Aegon II e foi então saqueada. Lorde Gunthor Darklyn foi decapitado por traição e a maioria dos cavaleiros de sua casa juraram suas espadas a Aegon, embora alguns tenham escolhido a morte.[1]

Lorde Staunton havia sido avisado da aproximação do exército de Sor Criston e fechou os portões de Pouso de Gralhas, mas não conseguiu evitar que Criston queimasse seus campos ou matasse seu povo e gado. Quando o abastecimento em Pouso de Gralhas começou a escassear, Lorde Staunton enviou um corvo com mensagem para a rainha Rhaenyra Targaryen em Pedra do Dragão e suplicou por ajuda.[1]

A batalha

Os filhos da rainha Rhaenyra, Jacaerys e Joffrey Velaryon, estavam ansiosos para se juntar à luta montados em seus dragões, Vermax e Tyraxes, mas ela os proibiu de ir. Em vez disso, nove dias depois da mensagem de Staunton, a princesa Rhaenys Targaryen, a "Rainha que Nunca Foi", e seu dragão Meleys, a "Rainha Vermelha", voaram para Pouso de Gralhas para ajudar Lorde Staunton. Contudo, Criston estava preparado e ordenou que seus arqueiros e escorpiões lançassem suas flechas e dardos contra Meleys. O dragão saiu praticamente ileso desses ataques e ela respondeu queimando os soldados de Criston com fogo de dragão.[1]

Criston Cole então ativou sua armadilha. O Rei Aegon II Targaryen e seu irmão, o Príncipe Aemond, apareceram no céu montando seus próprios dragões, Sunfyre e Vhagar, e atacaram Rhaenys e Meleys. Os três dragões lutaram a trezentos metros acima do campo. Quando Meleys fechou suas mandíbulas em volta do pescoço de Sunfyre, Vhagar caiu sobre eles de cima, fazendo com que os três dragões caíssem no chão. Embora Aemond e Vhagar tenham subido ilesos, Meleys foi quebrada e despedaçada pela queda, e Sunfyre teve uma asa meio arrancada de seu corpo. Aegon sofreu queimaduras graves e ossos quebrados. O corpo enegrecido de Rhaenys foi encontrado ao lado da carcaça de seu dragão.[1][2]

Aemond, Criston e os Verdes sobreviventes tomaram Pouso de Gralhas e mataram Lorde Staunton e chacinaram sua guarnição de aproximadamente cem homens.[1]

Consequências

A cabeça de Lorde Staunton e Meleys foram levadas para Porto Real. O povo comum da cidade ficou muito impressionado ao ver a cabeça do dragão, puxada pela cidade em uma carroça. Milhares de pessoas deixaram a cidade, até que a rainha viúva Alicent Hightower ordenou que os portões fossem fechados e trancados.[1]

Sor Criston Cole perdeu oitocentos soldados no fogo do dragão de Meleys. O Rei Aegon II Targaryen ficou incapacitado por queimaduras durante um ano; o príncipe Aemond Targaryen se tornou regente enquanto seu irmão se recuperava dos seus ferimentos. O dragão de Aegon, Sunfyre, também foi ferido e, por ora, não podia mais voar. Como era pesado demais para ser movido, foi deixado para trás nos campos de Pouso de Gralhas para comer carcaças e gado.[2]

A perda de Rhaenys Targaryen e seu dragão, Meleys, foram duros golpes para os Negros. O marido de Rhaenys, Corlys Velaryon, ficou enfurecido e culpou a rainha Rhaenyra Targaryen pela morte da sua amada, afirmando que se ela tivesse mandado seus filhos e dragões para dar apoio, sua esposa ainda estaria viva.[2]

Mais tarde, lorde Walys Mooton liderou um grupo de soldados na retomada de Pouso de Gralhas para os Negros, mas foi morto em uma tentativa fracassada de matar Sunfyre.[1]

Referências

  1. 1,0 1,1 1,2 1,3 1,4 1,5 1,6 1,7 1,8 Fogo & Sangue, A morte dos dragões: O dragão vermelho e o dourado.
  2. 2,0 2,1 2,2 A Princesa e a Rainha.