Primavera Lysena

De Gelo e Fogo wiki
Ir para navegação Ir para pesquisar

 

A Primavera Lysena[1] ou Primavera Lisena,[2] também chamada de Ascensão Rogare,[1] foi a próspera primavera de 135 d.C. durante o reinado do rei Aegon III Targaryen.

História

Prelúdio

O príncipe de sete anos de idade Viserys Targaryen foi levado cativo no final de 129 d.C. (pouco antes da Batalha da Goela no ano seguinte) e então mantido em cativeiro em Lys durante a Dança dos Dragões.[3]

A Casa Rogare ganhou destaque em Lys durante a Guerra das Filhas, e seu patriarca, Lysandro, casou Viserys com sua filha mais nova, Larra de Lys. Em 134 d.C. depois de se encontrar com o irmão de Lysandro, Drazenko, em Lançassolar, Lorde Alyn Velaryon viajou para Lys para negociar com Lysandro um resgate pelo retorno de Viserys aos Sete Reinos. Alyn concordou que o Trono de Ferro pagaria cem mil dragões de ouro, utilizaria o Banco Rogare, sustentaria o casamento de Viserys com Larra e concederia senhorio aos filhos mais novos de Lysandro.[3]

Prosperidade

O retorno do Príncipe Viserys Targaryen para Westeros em 134 d.C. encantou seu irmão mais velho, Rei Aegon III Targaryen, que se sentia culpado desde Batalha da Goela e fez com que a corte em Porto Real se regozijasse. O tamanho do resgate ultrajou Senhor Unwin Peake, a Mão do Rei, no entanto. Apesar das objeções de Unwin, os regentes de Aegon concordaram em acertar o resgate em dez pagamentos anuais. Eles também concordaram em transferir fundos do Banco de Ferro de Bravos para o Banco Rogare de Lysandro. Lorde Peake renunciou ao cargo de Mão e foi substituído por Lorde Thaddeus Rowan.[3]

Alguns dos irmãos de Larra Rogare acompanharam-na até Porto Real, com Moredo liderando seus guardas, Lotho abrindo uma agência do banco na Colina de Visenya, e Roggerio estabelecendo a Sereia, uma casa dos travesseiros no Portão do Rio. Seu tio Drazenko se casou com Aliandra Martell, Princesa de Dorne.[1]

Porto Real prosperou devido ao Banco Rogare, e aumentou o comércio com as Cidades Livres de Braavos, Lys, Myr, Pentos e Tyrosh. Outras cidades e vilas dos Sete Reinos também se beneficiaram, incluindo Valdocaso, Vila Gaivota, Casco, Lanisporto, Lagoa da Donzela, Vilavelha e Porto Branco.[1]

Por um tempo, o Banco Rogare foi mais forte até do que o Banco de Ferro de Bravos. O poder da família Rogare ajudou a diminuir o poder dos regentes de Aegon.[2] Os Sete Reinos se alegraram primeiro com a visão da Senhora Rhaena Targaryen voando no topo do Manhã, e então com o nascimento do Príncipe Aegon Targaryen, o filho de Viserys e Larra.[1]

Queda

Príncipe Viserys Targaryen, o jovem Príncipe Aegon Targaryen, e Lady Larra Rogare, ilustrados por Magali Villeneuve em O Mundo de Gelo e Fogo.

Os Lysenos não ganharam confiança de alguns em Westeros devido aos seus costumes estrangeiros e crença nos deuses de Lys, em vez de os Sete. Os guardas e companheiros de Larra Rogare eram todos Lysenos. O Rei Aegon III Targaryen e sua Mão, Lorde Thaddeus Rowan, foram vistos como ineficazes para lidar com a fome no Norte, e para lutar no Vale de Arryn e nas Ilhas de Ferro. O ovo de dragão monstruoso apresentado no parto de Laena Velaryon foi visto como um mau presságio. O envenenamento do amigo de Aegon, Gaemon Palehair, também foi visto como anunciação de tempos sombrios.[1]

Lysandro e Drazenko Rogare morreram com um dia de diferença um do outro, com Drazenko se engasgando com bacon e Lysandro se afogando quando sua barcaça afundou. Alguns atribuíram suas mortes abruptas aos Homens sem Rosto de Braavos. As mortes dos irmãos levaram a uma série de assassinatos pelos vários magísteres e príncipes mercadores de Lys. O filho mais velho de Lysandro, Lysaro Rogare, foi um sucessor ineficaz, e os investidores começaram a retirar seus fundos depois que se espalharam rumores de que o Banco Rogare não era íntegro. Lysaro fugiu de Lys, mas, depois de ser pego em Volon Therys, foi devolvido a Lys e açoitado até a morte. Drako alcançou Volantis e Marra reivindicou refúgio no templo de Lys de Yndros, mas seus outros parentes perderam suas riquezas ou foram vendidos como escravos.[1]

Em Westeros, Moredo rendeu sua liderança do exército do Trono de Ferro no Vale de Arryn e navegou para Braavos. Lotho e Roggerio foram presos na Torre da Mão por Sor Lucas Leygood e Sor Marston Waters, respectivamente, e a agência do banco na Colina de Visenya foi apreendida. Lorde Rowan foi preso, assim como um de seus sobrinhos, dois cavalariços, e criados. O Rei Aegon e o Príncipe Viserys recusaram-se a permitir que Sor Amaury Peake entrasse na Fortaleza de Maegor e apreendesse a esposa de Viserys, Larra, no entanto. Sandoq, a Sombra matou Amaury e uma dúzia de guardas, permitindo que os irmãos reais buscassem refúgio na Fortaleza de Maegor por dezoito dias.[1]

Sor Marston, a nova Mão, recusou-se a invadir a fortaleza durante o chamado cerco secreto. Entre outras confissões, Thaddeus admitiu ter ajudado a saquear o Banco Rogare e, assim, fraudar os nobres de Westeros, bem como conspirar com Larra e seus irmãos para envenenar Aegon com lágrimas de Lys a fim de colocar Viserys no Trono de Ferro. Aegon e Viserys determinaram que Lorde Rowan era um homem inocente torturado para fazer falsas confissões, no entanto.[1]

O Senhor Confessor Lorde George Graceford, nomeou como conspiradores Marston, Amaury, Sor Mervyn Flowers da Guarda Real, bem como Tessario o Tigre, Septão Bernard, Sor Gareth Long, Sor Victor Risley, Lucas Leygood e seis capitães da Patrulha da Cidade de Porto Real. Também implicadas estavam Cassandra Baratheon, Priscella Hogg e Lucinda Penrose, todas damas da Rainha Daenaera Velaryon. Cogumelo sugeriu que Lorde Unwin Peake e sua tia, Clarice Osgrey, haviam orquestrado a conspiração contra os Rogares em Westeros, embora seu envolvimento nunca tenha sido provado.[1]

Lucas foi morto enquanto era preso e três de seus capitães fugiram da cidade. Marston, que alegou inocência, foi mortalmente ferido por Mervyn, que foi esmagado e espancado até a morte. Gareth admitiu que considerava Aegon III indigno de ser rei, enquanto Bernard se opunha à influência estrangeira dos Rogares. Antes de morrer de tortura, Tessario revelou que queria substituir Roggerio.[1]

Thaddeus Rowan, enfraquecido pela tortura, foi incapaz de permanecer como Mão e morreu enquanto retornava para Bosquedouro.[1]

O Rescaldo

Após a tentativa de golpe contra o rei Aegon III e a queda da Rogares, nobres de todos os Sete Reinos viajaram para Porto Real em 136 d.C., a maior reunião desde o Grande Conselho em Harrenhal em 101 d.C.. Willam Stackspear, Marq Merryweather, e Lorent Grandison foram escolhidos como regentes por sorteio, com o Lorde Torrhen Manderly tornando-se Mão, Isembard Arryn o mestre da moeda, Gedmund Peake o mestre dos navios, Sor Raynard Ruskyn como Senhor Comandante da Guarda Real, e Sor Adrian Thorne como Senhor Comandante da Patrulha da Cidade.[1]

Das quarenta e duas pessoas acusadas de conspirar contra Aegon e os Rogares, oito morreram, dezesseis fugiram, treze confessaram algum envolvimento e cinco foram levadas a julgamento após professarem sua inocência. Sor Gareth Long, Lorde George Graceford, e vários mantos dourados e Dedos concordaram em se juntar à Patrulha da Noite, e Septão Bernard viveu uma vida de silenciosa em penitência no Septo Estrelado. Sor Victor Risley foi morto em um duelo por Gareth após exigir julgamento por batalha. Lucinda Penrose e Priscella Hogg aderiram à , e Cassandra Baratheon casou-se com Sor Walter Brownhill.[1]

A queda do Banco Rogare arruinou milhares de nobres e comerciantes, e os irmãos de Larra Rogare em Westeros também foram punidos por Lorde Manderly. Depois de ter sua mão direita removida por roubo, Lotho viajou para Torralta e ajudou a fundar o Banco de Vilavelha com Samantha Tarly e Lorde Lyonel Hightower. Depois de ser açoitado sete vezes "por ser um Lyseno três vezes condenado", Roggerio vendeu seu bordel em Porto Real e o restabeleceu na Filha da Sereia no mar estreito. Moredo contratou mercenários em Braavos para uma campanha contra Lys.[1]

Isembard e Lorde Torrhen reformaram a arrecadação de impostos, o que proporcionou algum alívio aos prejudicados pelo Banco Rogare.[1] Larra permaneceu em Porto Real, embora nunca se sentisse confortável no cidade.[4] Ela voltou para Lys em 139 d.C. após dar à luz a Princesa Naerys e o Príncipe Aemon Targaryen.[5]

Citações


Se a Senhora Larra e os irmãos fossem westerosis, eles talvez fossem admirados e celebrados, mas seu nascimento estrangeiro, jeito estrangeiro e deuses estrangeiros os tornavam objeto de desconfiança e suspeita.[1]
—— escritos de Gyldayn



A primavera é sempre uma estação de esperanças, de nascimento e renovação, e a primavera de 135 d.C. não foi diferente.[1]
—— escritos de Gyldayn

Referências

  1. 1,00 1,01 1,02 1,03 1,04 1,05 1,06 1,07 1,08 1,09 1,10 1,11 1,12 1,13 1,14 1,15 1,16 1,17 Fogo & Sangue, A Primavera Lysena e o Fim da Regência.
  2. 2,0 2,1 O Mundo de Gelo e Fogo, Os Reis Targaryen: Aegon III.
  3. 3,0 3,1 3,2 Fogo & Sangue, Sob os Regentes: A Viagem de Alyn Punho de Carvalho.
  4. O Mundo de Gelo e Fogo, Os Reis Targaryen: Viserys II.
  5. The World of Ice and Fire AMA