Ações

Regência de Aegon III

Aegon III dispensa seus regentes na sala do Pequeno conselho.
Ilustração por Jose Daniel Cabrera Pena ©

A Regência de Aegon III durou de 131 d.C. a 136 d.C. durante a minoridade do rei Aegon III Targaryen. Foi um período de múltiplos conflitos políticos que aconteceram no conselho de regentes e pelos Mãos do Rei.

Aegon, o Jovem, ascendeu ao Trono de Ferro aos onze anos de idade, após sua família sofrer enormes perdas em membros e influência devido a grande guerra civil conhecida como Dança dos Dragões. Vários regentes e Mãos governaram em nome de Aegon pelos próximos cinco anos até o rei atingir a maioridade (ter idade de 16). A regência foi marcada por complôs, conspirações e assassinatos na corte, entre os regentes e seus apoiadores que buscavam poder político na capital.[1]

História

Começo da regência

Após testemunhar a horrível morte de sua mãe, Rhaenyra Targaryen, perto do fim da Dança dos Dragões, Aegon, o Jovem, havia se tornado um garoto melancólico e mal-humorado, interessado em poucas coisas. Era era usado apenas como uma peça de tabuleiro entre os lordes e regentes do Pequeno Conselho que buscavam ganhar mais poder político.[1]

A regência do rei Aegon III começou com um conselho de sete regentes. Destes, apenas o Grande Meistre Munkun serviu durante todo o período da regência (aproximadamente cinco anos). Outros regentes e Mãos do Rei foram apontados, renunciaram, eram substituídos ou morriam. O começo do reinado de Aegon começou no segundo ano de um duro inverno, que durou até 135 d.C.. A Febre do Inverno se espalhou e fez também, entre suas vítimas, alguns dos regentes de Aegon.[1]

O primeiro regente do rei que faleceu foi lorde Corlys Velaryon, que morreu em 132 d.C. de velhice. Seu neto e sucessor, Lorde Alyn Velaryon, esperava tomar o lugar do seu avô no conselho mas foi negado. Neste mesmo ano, Lorde Royce Caron desistiu de seu assento no conselho. Sor Torrhen Manderly fez o mesmo pouco tempo depois, retornando para casa em Porto Branco, após a morte do seu pai e do seu irmão devido a febre de inverno.[1]

Em 133 d.C., a febre do inverno levou Sor Tyland Lannister, que tinha retornado das Cidades Livres no ano anterior, e havia sido nomeado Mão do Rei, uma posição que exerceu muito bem, apesar das mutilações que tinha sofrido pelo corpo devido a guerra. Lorde Roland Westerling, um dos regentes, também faleceu de febre do inverno, em 133 d.C., e foi substituído no conselho por Lorde Thaddeus Rowan.[1]

Lorde Unwin Peake se sentiu excluído por não ter sido um dos sete regentes originais. Ainda assim, em 132 d.C., ele tomou a posição do falecido Lorde Corlys Velaryon. Ele ascendeu a posição de Mão em 133 d.C., após a morte de Sor Tyland Lannister. Em sua posição de poder, ele deu cargos a vários membros de sua família e fez de tudo para minar o poder dos seus rivais.[1]

O rei Aegon III se casou com sua prima, a princesa Jaehaera, a única filha sobrevivente de Aegon II Targaryen, logo após o termino da guerra civil, em um movimento para indicar reconciliação entre as facções. Ela aparentemente cometeu suicídio em 133 d.C., se jogando da janela do seu quarto e foi empalada por uma das estacas da Fortaleza de Maegor. Alguns questionaram se ela realmente morreu se matou. Alguns dizem que Jaehaera foi assassinada e um dos suspeitos seria Sor Mervyn Flowers, da Guarda Real, o bastardo meio irmão de lorde Unwin, que guardava o quarto de Jaehaera quando ela faleceu. O bobo da corte, Cogumelo sugeriu que Mervyn não teria ele mesmo cometido o crime, mas permitiu que outro o fizesse. Meistre Yandel especula que o assassino seria Tessario o Tigre, um mercenário das Cidades Livres que servia a Lorde Unwin.[1]

Após a morte de Jaehaera, Lorde Unwin tentou casar o rei com sua própria filha. Quando os regentes o detiveram, o Mão fez uma festa apresentou a Aegon III mil donzelas. As senhoras Rhaena e Baela Targaryen apresentaram uma prima delas, a senhora Daenaera Velaryon, que tinha seis anos na época. Aegon escolheu ela para ter como esposa, o que frustrou lorde Peake. Ele tentou descartar a escolha do rei mas novamente os outros regentes o detiveram, com apoio do próprio Aegon. Unwin ameaçou renunciar a sua posição de Mão em uma tentativa de forçar o conselho a acatar seus desejos, mas para sua surpresa os outros regentes aceitaram sua renuncia. Assim, Lorde Peake partiu e foi substituído por Lorde Thaddeus Rowan em 134 d.C..[1]

A Lula Gigante Vermelha

Lorde Dalton Greyjoy, a "Lula Gigante Vermelha", tinha lutado na Dança dos Dragões ao lado da rainha Rhaenyra Targaryen, e recebeu permissão para atacar a costa ocidental de Westeros.[2] Contudo, quando a guerra terminou, a Casa Greyjoy e seus vassalos das Ilhas de Ferro não se detiveram e continuaram saqueando.

Lorde Alyn Velaryon deveria navegar em direção a Passopedra. Contra as esperanças de Unwin Peake, o então Mão do Rei, Alyn acabou vitorioso em Passpedra. Quando ele retornou a Porto Real, sua nova fama acabou causando mal-estar. Os regentes, a despeito dos protestos de Unwin, deu as honras e recompensas a Alyn por serviços prestados. Lorde Peake, no final, conseguiu convencer o Pequeno Conselho a despachar lorde Alyn para as Terras Ocidentais para lidar com Dalton Greyjoy, certamente esperando que o Velaryon fosse morto ou desgraçado na derrota. Ao invés disso, se tornou a primeira de seis grandes expedições de Alyn.[1]

Dalton foi eventualmente morto enquanto ocupava a Ilha Leal, quando uma garota chamada Tess lhe abriu a garganta. Como Dalton não era casado, uma disputa de sucessão começou, desviando a atenção dos nascidos do ferro. A senhora Johanna Lannister executou sua vingança contra os saque sofridos nas Terras Ocidentais, mandando um exército Lannister para as Ilhas de Ferro, em 134 d.C., apoiado por Sor Leo Costayne da Campina.[3]

Retorno do príncipe Viserys

Muitos acreditavam que o príncipe Viserys Targaryen, irmão mais novo de Aegon III, estaria morto. Seu retorno a Porto Real foi uma das poucas alegrias do reinado de Aegon. Tendi sido encontrado em Lys por lorde Alyn Velaryon, um grande resgate foi pago e o príncipe retornou para Westeros. Ele trouxe sua nova esposa, Larra Rogare, filha do rico e ambicioso banqueiro da família Rogare. A família de Larra era dona do Banco Rogare, uma das instituições mais poderosas das Cidades Livres.[1]

A família Rogare se envolveu em conflitos na corte de Aegon III. Acusações de falcatruas se espalharam por todos os lados. Lorde Thaddeus Rowan foi acusado de traição e de ter participado de um complô para eliminar a família Rogare, sendo torturado para que revelasse essa informação. Sor Marston Waters da Guarda Real então se tornou a Mão do Rei e mandou homens para prender Lady Larra após ele também aprisionar seus irmãos, Lysaro e Moredo. O jovem rei Aegon defendeu seu irmão Viserys e sua esposa e família, contudo, e se recusou a entregar a cunhada, o que levou a um cerco da Fortaleza de Maegor que durou oito dias. Eventualmente, Marston recuou e obedeceu as ordens do sei rei para prender aqueles que tinham fornecido provas falsas e dado instruções para aprisionar os Rogares e Lorde Rowan. Sor Marston acabou sendo morto quando tentou prender Sor Mervyn Flowers, também da Guarda Real.[1]

Fim da regência

Grande Meistre Munkun brevemente serviu como Mão do Rei e restaurou a ordem até que novos regentes fossem apontados. Lorde Torrhen Manderly foi feito como a nova Mão e Willam Stackspear, Marq Merryweather e Lorent Grandison foram escolhidos para o Grande Conselho para servir em 136 d.C..[1]

A regência terminou no dia em que o rei Aegon III Targaryen fez seu aniversário de 16 anos, entrando no salão do Pequeno Conselho e dispensando todos os regentes e sua Mão.[1]

Conselho de Regentes

O conselho da regência de Aegon III, conforme originalmente concebido, consistia de:[1]

Substitutos:

Regentes escolhidos por sorteio no Grande Conselho de 136 d.C.:

Mãos do Rei:

Referências

  1. 1,00 1,01 1,02 1,03 1,04 1,05 1,06 1,07 1,08 1,09 1,10 1,11 1,12 1,13 O Mundo de Gelo e Fogo, Os Reis Targaryen: Aegon III.
  2. O Mundo de Gelo e Fogo, Os Reis Targaryen: Aegon II.
  3. O Mundo de Gelo e Fogo, Os Sete Reinos: As Ilhas de Ferro, Lula-Gigante Vermellha.