A Guerra dos Tronos - Capítulo 13

De Gelo e Fogo wiki
Revisão de 16h39min de 8 de abril de 2018 por LPrati (Discussão | contribs)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para: navegação, pesquisa
Tyrion II
Capítulo de A Guerra dos Tronos
A Guerra dos Tronos.jpg
PDVTyrion
LocalNorte de Winterfell a caminho de Castelo Negro, Westeros
Página89-95 PT-BR Leya (Outras versões)
CenaThe Kingsroad (Série HBO)
Cronologia dos capítulos (Todos)
Tyrion I
Eddard II ← Tyrion II → Catelyn III

Tyrion III

Enquanto viajam rumo a Castelo Negro, Tyrion e Jon Snow discutem sobre a realidade da vida na Muralha.

Resumo

Homens sendo mortos pelo fogo dos dragões na Batalha de Campo de Fogo, extraído de A Guerra dos Tronos - Edição Ilustrada, por Paul Youll ©.

Depois de uma quinzena viajando rumo ao norte a partir de Winterfell com Benjen Stark, Jon Snow, e dois de seus próprios protetores, Tyrion Lannister está espantado com o enorme tamanho do Norte. Embora ele conheça os mapas da região tão bem como qualquer pessoa, vivenciar a própria terra é outra coisa. E ia ficando cada vez mais frio, mais quieto, mais distante e mais solitário a medida que eles avançam ao norte e a Estrada do Rei estreitava-se cada vez mais em uma trilha selvagem.

No caminho, eles passam pela Mata de lobos e encontram-se com Yoren, um irmão da Patrulha da Noite, acompanhado por dois garotos camponeses condenados a vestir o negro. Naquela noite Tyrion Lannister percebe que Jon Snow está olhando para seus novos companheiros com consternação e sente pena do rapaz que escolheu uma vida tão dura na Muralha. Mas não sente a mesma simpatia por Benjen Stark que fizera de tudo possível para que a viagem fosse o mais desconfortável possível para o anão.

Tyrion Lannister em sua leitura, durante a viagem a caminho de Castelo Negro, por Rafal Hrynkiewicz para FFG ©.

Em um acampamento, enquanto os outros trabalham, Tyrion lê um livro sobre dragões, um dos vários trazidos com ele da biblioteca de Winterfell. Tyrion sempre se interessou por dragões e lembra-se da primeira vez que vira os crânios de dragões dos Targaryens, em Porto Real, durante o casamento de Robert Baratheon e Cersei Lannister. Haviam dezenove crânios, mas os que se destacavam eram os enormes crânios de Balerion, Vhagar e Meraxes. Tyrion lembra-se da história da Batalha de Campo de Fogo onde o Rei do Oeste Loren Lannister unira forças com o Rei da Campina Mern Gardener para combater o autoproclamado Rei de Westeros Aegon Targaryen e suas irmãs Rhaenys e Visenya. Pela primeira vez Aegon liberou os 3 dragões para lutar ao mesmo tempo e o resultado foi um campo em chamas e mais de 4 mil homens queimados até a morte, dentre eles o próprio Rei da Campina. Aegon saiu vitorioso.

Enquanto Tyrion lia, Jon Snow pergunta por que ele lê tanto. Tyrion explica que, como seu corpo é atrofiado e fraco ele deve confiar em sua mente e que uma mente precisa de livros assim como uma espada precisa de uma pedra de amolar. Quando Jon pergunta o que Tyrion está lendo, Tyrion começa a explicar sobre dragões e como ele fantasiava ver seus parentes ardendo em chamas, pois se ressentia de sua família. Tyrion diz para Jon não o julgar, pois sabe que o bastardo teve os mesmos tipos de ressentimento com sua família. Horrorizado, Jon nega, mas o anão começa a pressioná-lo com ironias, dizendo como a Senhora Catelyn Stark o trata como se fosse filho dela, como Robb Stark vai ser o Senhor de Winterfell, e que seu pai Eddard Stark deve ter uma boa razão para tê-lo enviado para a Muralha. Irritado, o bastardo diz que é uma grande e nobre honra servir a Patrulha da Noite. Tyrion diz Jon é esperto demais para acreditar no que acabou de dizer e continua falando que seus irmãos juramentados da Muralha são ladrões, assassinos e violadores, como os dois prisioneiros que Yoren trouxe com ele. Tyrion completa dizendo que a Muralha só está lá para defender o reino de criaturas imaginárias. A fúria toma conta de Jon que manda o anão se calar. Tyrion se sente culpado pelo rumo que a conversa tomou e quando tenta uma trégua é atacado por Fantasma. O anão pede ajuda para Jon, mas este só o ajuda após Tyrion implorar.

Estranhamente, depois daquele momento tenso Jon Snow e Tyrion Lannister começam uma conversa mais amistosa. O bastardo admite que tem certa verdade sobre o que o anão falou sobre a Muralha, mas que não importava, pois ele seria um Patrulheiro. O anão diz que admitir a verdade é bom e que a maior parte dos homens prefere negar uma verdade do que enfrentá-la.

Ambos voltam juntos para o acampamento. Bem mais tarde, quando Tyrion vai se deitar (após todos estarem dormindo), ele encontra Jon Snow acordado e refletindo enquanto olhava para fogueira.

Citações

Você é notavelmente gentil para um bastardo, Snow.[1]
Tyrion, para Jon Snow.
(...) Nasci um Lannister de Rochedo Casterly, onde as coleções de aberrações são das mais pobres. Esperam-se coisas de mim. (...) Devo cumprir minha parte pela honra da minha Casa, não concorda? Mas como? Bem, poderei ter as pernas pequenas demais para o corpo, mas minha cabeça é grande demais, embora eu prefira pensar que tem o tamanho certo para a minha mente. Possuo um entendimento realista das minhas forças e fraquezas. A mente é a minha arma. Meu irmão tem a sua espada, o Rei Robert, o seu martelo de guerra, e eu tenho a mente... e uma mente necessita de livros da mesma forma que uma espada necessita de uma pedra de amolar para se manter afiada. É por isso que leio tanto, Jon Snow.[2]
— Tyrion, para Jon Snow.
Quando tinha a sua idade, costumava sonhar em ter um dragão meu. (...) Mesmo. Até um garotinho enfezado, deformado e feio pode olhar o mundo de cima quando está sentado no dorso de um dragão. Costumava acender fogueiras nas entranhas de Rochedo Casterly e ficar horas olhando as chamas, fazendo de conta que eram fogos de dragão. Por vezes imaginava meu pai a arder. Outras minha irmã... (gargalhada) não me olhe assim, bastardo. Conheço o seu segredo. Você sonhou o mesmo tipo de sonho.[3]
— Tyrion, para Jon Snow.
Jon: A Patrulha da Noite é uma vocação nobre!
Tyrion: Você é esperto demais para acreditar nisso. A Patrulha da Noite é uma pilha de estrume para todos os inadaptados do reino. (...) Camponeses mal-humorados, devedores, caçadores furtivos, violadores, ladrões e bastardos como você acabam todos na Muralha.[4]
— Tyrion, para Jon Snow.
Isso é bom, bastardo. A maioria dos homens prefere negar uma dura verdade a enfrentá-la.[5]
— Tyrion, para Jon Snow, sobre a constatação do rapaz a respeito da Patrulha da Noite.

Passagens destacadas

  • Torna-se conhecido o perfil dos integrantes da Patrulha da Noite.[6]
  • Fica evidente o mórbido fascínio de Tyrion por dragões. Principalmente pelas passagens da busca em Porto Real pelos crânios de dragão que haviam decorado as paredes da sala do trono dos Targaryen, e pelo desejo de possuir um dragão quando era criança.[7]
  • Durante todo o capítulo, percebemos a empatia de Tyrion por Jon Snow, principalmente pela escolha do rapaz em vestir negro.[8]
  • A Batalha do Campo de Fogo é contada com detalhes históricos relevantes.[9]
  • Jon Snow tem 14 anos de idade.[10]

Listas

Personagens

Aparecem:

Mencionados:

Mencionados:

Mencionados:

Casas

Aparecem:

Mencionados:

Locais

Aparecem:

Mencionados:

Mencionados:

Outros termos

Links externos

Sobre a página

Esta página utiliza conteúdo baseado em A Game of Thrones-Chapter 13, um artigo de A Wiki Of Ice And Fire.

Referências

  1. A Guerra dos Tronos, Capítulo 13, Tyrion, página 92.
  2. A Guerra dos Tronos, Capítulo 13, Tyrion, página 92.
  3. A Guerra dos Tronos, Capítulo 13, Tyrion, página 93.
  4. A Guerra dos Tronos, Capítulo 13, Tyrion, página 93.
  5. A Guerra dos Tronos, Capítulo 13, Tyrion, página 94.
  6. A Guerra dos Tronos, Capítulo 13, Tyrion, página 90.
  7. A Guerra dos Tronos, Capítulo 13, Tyrion, página 91.
  8. A Guerra dos Tronos, Capítulo 13, Tyrion, página 95.
  9. A Guerra dos Tronos, Capítulo 13, Tyrion, página 92.
  10. A Guerra dos Tronos, Capítulo 13, Tyrion, página 92.